Ranking das Unidades Federativas Brasileiras frente ao seu Desempenho na Gestão de Recursos da Saúde

Sheila Jeane Schulz, Vanderlei Gollo, Fabricia Silva da Rosa, Jorge Eduardo Scarpin

Resumo


Este estudo objetiva analisar o desempenho das unidades federativas brasileiras no que compete ao gasto público realizado com saúde. A metodologia utilizada na pesquisa configura-se como descritiva, documental, e quantitativa. O universo da pesquisa corresponde às 27 unidades federativas do Brasil, sendo 26 estados e o distrito federal, para os anos de 2005 a 2011. Para a análise da eficiência, foi utilizado o método Análise Envoltória de Dados (DEA) com base no modelo CCR. Os resultados revelaram que 8 das unidades federativas já foram 100% eficientes (em relação a número de: internações, produção ambulatorial, pessoas cadastradas na atenção básica, estabelecimentos de saúde, equipamentos, e imunizações) em pelo menos um dos anos analisados. Viu-se que a utilização de valores per capita é confiável, frente à problemática de diferença de tamanho entre os estados. Verificou-se que o número de unidades federativas 100% eficientes não ultrapassa 7 estados por ano, e não é menor do que 3 estados por ano. Chegou-se a um ranking anual do período analisado, demonstrando a classificação das unidades federativas de acordo com sua posição de desempenho. Concluiu-se que as informações geradas pelo estudo complementam as já existentes nos índices de saúde, pelas quais, percebe-se as questões relacionadas a ela com uma visão diferenciada, e verifica-se melhorias para tomada de decisão e processo de gestão de recursos.

Palavras-chave


Unidades federativas; Saúde; Análise Envoltória dos Dados

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. G. D., Borba, J. A., & Flores, L. C. D. S. (2009). A utilização das informações de custos na gestão da saúde pública: um estudo preliminar em secretarias municipais de saúde do estado de Santa Catarina. Revista de Administração Pública, 43(3), 579-607.

Araújo Souza, G. C., & Costa, I. D. C. C. (2010). O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. Saúde e Sociedade, 19(3).

Aubyn, M. S., Garcia, F., & Pais, J. (2009). Study on the efficiency and effectiveness of public spending on tertiary education (No. 390). Directorate General Economic and Monetary Affairs (DG ECFIN), European Commission.

Bogoni, N. M., Hein, N., & Beuren, I. M. (2012). Análise da relação entre crescimento econômico e gastos públicos nas maiores cidades da região Sul do Brasil. Revista de Administração Pública, 45(1), 159-179.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília. Recuperado em 30 de novembro, 2003, de: < http://www.planalto.gov.br>.

Costa, F. L. D., & Castanhar, J. C. (2005). Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública,37(5), 969-992.

Cruz, C. F., Ferreira, A. S., Silva, L. M. D., & Macedo, M. S. (2012). Transparência da gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 46(1), 153-76.

Faria, F. P., Jannuzzi, P. D. M., & Silva, S. J. D. (2008). Eficiência dos gastos municipais em saúde e educação: uma investigação através da análise envoltória no estado do Rio de Janeiro. Revista de administração pública, 42(1), 155-177.

Gama Junior, F. L. (2009). Fundamentos de orçamento público e direito financeiro. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Herrera, S., & Pang, G. (2005). Efficiency of public spending in developing countries: an efficiency frontier approach (Vol. 3645). World Bank Publications.

Lei n. 8.142, de 28 de dezembro de 1990 (2000). Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS} e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Recuperado em 30 de novembro, 2003, de: < http://www.planalto.gov.br>.

Mattos, R. A. (2009). Princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) ea humanização das práticas de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 13.

Meza, L. A., Biondi Neto, L., Mello, J. C. C. B. S., & Gomes, E. G. (2005). ISYDS-Integrated System for Decision Support (SIAD-Sistema Integrado de Apoio à Decisão): a software package for data envelopment analysis model.Pesquisa Operacional, 25(3), 493-503.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2012). Saúde no Brasil. Recuperado em 30 de novembro, 2003, de: .

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2012). Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Recuperado em 20 de dezembro, 2003, de: .

Musgrove, P. (1999). Public spending on health care: how are different criteria related?. Health policy, 47(3), 207-223.

Oliveira, A. K. P. D., & Borges, D. F. (2008). Programa de Saúde da Família: uma avaliação de efetividade com base na percepção de usuários. Revista de Administração Pública, 42(2), 369-389.

PORTAL BRASIL. (2012) Saúde. Recuperado em 30 de novembro, 2003, de: .

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2009). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 76-97.

Senra, L. F. A. D. C., Nanci, L. C., Mello, J. C. C. B. S., & Meza, L. A. (2007). Estudo sobre métodos de seleção de variáveis em DEA. Pesquisa Operacional, 27(2), 191-207.

Silva, L. M. (2009). Contabilidade governamental: um enfoque administrativo. São Paulo: Atlas.

TESOURO NACIONAL. (2012). Sistema de Coleta de Dados Contábeis de Estados e Municípios - SISTN. Recuperado em 30 de novembro, 2003, de: .

Vergara, S. C. (1998). Projeto e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Vilela, D. L., Nagano, M. S., & Merlo, E. M. (2007). Aplicação da análise envoltória de dados em cooperativas de crédito rural. Revista de Administração Contemporânea, 11(SPE2), 99-120.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v3i2.108

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br