A Contribuição da Auditoria Interna de Riscos para o Planejamento de Organizações na Área de Saúde

Gustavo da Rosa Borges, Fábio José Diel, Francisco Carlos Fernandes

Resumo


O planejamento é um aspecto relevante para o processo de gestão e contribui para o desenvolvimento de uma organização. Na área de saúde, essa afirmação também se faz valer, visto que, cada vez mais, gestores de organizações desse segmento têm dado importância ao planejamento. No entanto, poucos trabalhos têm buscado explorar a forma no qual a gestão de riscos pode influenciar no planejamento de organizações de saúde. Buscando preencher essa  lacuna, o presente artigo tem como objetivo verificar se o planejamento de organizações da área da saúde tem levado em conta a gestão de riscos. Sendo assim, realizou-se uma investigação qualitativa, por meio de questionário estruturado e entrevista semiestruturada em uma clínica e uma rede de laboratórios na cidade de Pelotas-RS. Após apreciação das informações levantadas, descobriu-se que as organizações pesquisadas têm uma preocupação com os riscos inerentes ao seu negócio, no qual a utilização de ferramentas e o mapeamento dos riscos têm sido considerados no processo de planejamento. Identificaram-se, após análise das informações, quatro proposições: (1) o controle dos riscos contribui para a satisfação dos clientes; (2) o planejamento de organizações da área da saúde leva em consideração a gestão de riscos; (3) quanto mais auditores, maior é a preocupação com os riscos; e (4) com o tempo, o processo de gestão de riscos torna-se mais complexo na organização.


Palavras-chave


Planejamento, Gestão de Riscos, Auditoria Interna.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR-ISO/IEC – Norma ISO 31000.

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR-ISO/IEC – Norma ISO 31010.

Allegri, M., & D´Onza, G. (2011). Internal Auditing and Risk Assessment in Large Italian Companies: an Empirical Survey. International Journal of Auditing, 7, pp. 191-208.

Avaliação de riscos – Seleção de Ferramentas e Técnicas de Risk Assessment. Recuperado em 20/02/2013, de http://www.iso31000qsp.org/2012/05/publicada-finalmente-nbr-isoiec- 31010.html.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Basioulds, L. G. Aligning the Internal Audit Function with Strategic Objectives. Recuperado em 18/02/2013, de http://www.qfinance.com/contentFiles/QF02/ g1xtn5q6/12/0/aligning-the-internal-audit-function-with-strategic-objectives.pdf.

Berretta, I. Q., Lacerda, J. T., & Calvo, M. C. M. (2011). Modelo de avaliação da gestão municipal para o planejamento em saúde. Caderno de Saúde Pública, 27(11), Rio de Janeiro, pp. 2143-2154.

Bogoni, N. M., & Fernandes, F. C. (2011). Gestão de risco nas atividades de investimento dos regimes próprios de previdência social (RPPS) dos municípios do estado do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Administração, 17(1), pp. 117-148.

Booth, R. (2012). Risk Planning for Interdependencies: from theory to practice. Municipal Engineer, 165, Ed. ME2, pp. 85-92.

Brito, G. A. S., & Assaf Neto, A. (2008). Modelo de classificação de risco de crédito de empresas. Revista Contabilidade & Finanças, 19(46), pp. 18-29.

Campbell, M., Adams, G. W., Campbell, D. R., & Rose, M. P. (2006). Internal Audit Can Deliver More Value. IA groups have the potential to shape Sarbanes-Oxley compliance into a sustainable process and to position their companies to better leverage the significant investment already made in those efforts. Financial Executive, 22(1), p. 44.

Campos, A. L. N. (2006). Sistemas de segurança da informação: controlando os riscos. Florianópolis: Visual Books.

Castanheira, N., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2009). Factors associated with the adoption of risk-based internal auditing. Managerial Auditing Journal, 25(1), pp. 79-98.

Delmar, F., & Shane, S. (2003). Does business planning facilitate the development of new ventures? Strategic Management Journal, 24(12), pp. 1165-1185.

Di Sério, L. C., Oliveira, L. H. de, & Siegert Schuch, L. M. (2011). Organizational Risk Management: A Case Study in Companies that have won the Brazilian Quatity Award Prize. Journal of Technology Management & Innovation, 6(2), pp. 230-243.

Elkington, P., & Smallman, C. (2002). Managing project risks: a case study from the utilities sector. International Journal of Project Management, 20(1), pp. 49-57.

Fernandes, F. C., & Souza, J. A. L. D., & Faria, A. C. de. (2010). Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(1), pp. 59-73.

Fernández-Laviada, A. (2007). Internal audit function role in operational risk management. Journal of Financial Regulation and Compliance, 15(2), pp. 143-155.

Fumegalli, B. B. (2012). Avaliação dos Controles Internos no Processo de Auditoria Externa no Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS. Porto Alegre. Recuperado em 24/02/2013, de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/61969/000867117.pdf?sequence=1.

Gander, P., Hartley, L., Powell, D., Cabon, P., Hitchcock, E., Mills, A., & Popkin, S. (2011). Fatigue risk management: Organizational factors at the regulatory and industry/company level. Accident Analysis & Prevention, 43(2), 573-590.

Gestão de riscos – Técnicas para o processo de avaliação de riscos. Recuperado em 20/02/2013, de http://www.slideshare.net/fdecicco/nbr-iso-31000-projeto-final-seg.

Glavovic, B. C. (2010). The role of land-use planning in disaster risk reduction: An introduction to perspectives from Australasia. Australasian Journal of Disaster and Trauma Studies, Vol 2010(1), 2010, 1-22

Gopalakrishnan, C., & Okada, N. (2007). Designing new institutions for implementing integrated disaster risk management: key elements and future directions. Disasters, 31(4), pp. 353-372.

Jesus, W. L. A. de. (2006). Re-significação do Planejamento no Campo da Saúde Coletiva: desafios teóricos e busca de novos caminhos. Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva.Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana (BA), Brasil.

Koutoupis, A. G., & Tsamis, A. (2009). Risk based internal auditing within Greek banks: a case study approach. Journal of Management & Governance,13(1-2), pp. 101-130.

Kimura, H., & Perera, L. C. J. (2005). Modelo de otimização da gestão de risco em empresas não financeiras. Revista Contabilidade & Finanças,16(37), pp. 59-72.

Lélis, D. L. M., & Pinheiro, L. E. T. (2012). Percepção de auditores e auditados sobre as práticas de auditoria interna em uma empresa do setor energético. Revista Contabilidade & Finanças, 23(60), pp. 212-222.

Lima, L. F. F. (2007). Estudo sobre a Gestão Qualitativa do Risco Operacional como Prática de Governança Corporativa em Instituições Financeiras no Brasil (Doctoral dissertation, Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis e Financeiras) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo (SP), Brasil.

Longaray, A. A. (2006). Caracterização da pesquisa em contabilidade. In: Longaray, A. A., Beuren, I. M. (Org.) Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Lyons, T., & Skitmore, M. (2004). Project risk management in the Queensland engineering construction industry: a survey. International Journal of Project Management, 22(1), pp. 51-61.

O'Reilly-Allen, M., & Mawn, L. (2011). Building effective risk management, Internal audit should be a key player in the process. Accounting Today, 25(11), pp. 197-216.

Răvaş, B. (2011). The Role of the Internal Audit in the Tourism Unit’s Risk Management Process. Annals of the University of Petroşani, Economics, 1(11), pp. 215-222.

Ribeiro, C. F., Zanir, J., Macagnan, C. B., & Zanini, F. A. M. (2012). Gestão de Universidade Privada: risco de inadimplência dos alunos. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14(42), pp. 26-40.

Rivenbark, W. C. (2000). Embracing risk-based auditing in local government. Government Finance Review, 16(3), pp. 17-20.

Rossiter, C. (2007). Top 10 priorities for internal audit in a changing environment: new realities lead to a larger, more central and more visible role for internal audit. Bank Accounting & Finance, 20(5), p. 34.

Rowe, J. (2012). Developing an Internal Risk Audit Process in Home Health Care Organizations A Basic Primer for Meeting the NYS Office of the Medicaid Inspector General’s Compliance Standards. Home Health Care Management & Practice, 24(1), pp. 21-26.

Rukprassot, S., & Ussahawanitchakit, P. (2012). Roles of Risk Management Strategy in Goal

Achievement: evidence from thai listed firms. International Journal of Strategy Management, 21(2), pp. 98-113.

Salehi, M., & Khatiri, M. (2011). A study of risk based auditing barriers: Some Iranian evidence. African Journal of Business Management, 5(10), pp. 3923-3934.

Sapountzaki, K., Wanczura, S., Casertano, G., Greiving, S., Xanthopoulos, G., & Ferrara, F. F. (2011). Disconnected policies and actors and the missing role of spatial planning throughout the risk management cycle. Natural Hazards, 59(3), pp. 1445-1474.

Spikin, I. J. C. (2009). Risk Management, the integrated perspective. A model that can contribute to full fit the goals of modern Municipalities. Tékhne-Revista de Estudos Politécnicos, (11), pp. 173-188.

Winspear, N., Musulin, R., & Sharma, M. (2012). Earthquake catastrophe models in disaster response planning, risk mitigation and financing in developing countries in Asia. Geological Society, London, Special Publications, 361(1), pp. 139-150.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v4i2.134

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br