A Reforma da Administração Pública Aplicada ao Setor da Saúde: A Experiência Portuguesa

Alexandre Morais Nunes, Ana Paula Harfouche

Resumo


As profundas alterações do papel do Estado ao longo das últimas décadas conduziram a mudanças estruturais no âmbito da atuação e comportamento da Administração Pública. A New Public Manegement (NPM), numa perspectiva de adaptação a essas alterações e de dotar o Estado de maior desempenho, introduziu no setor público métodos da gestão privada. Esse fato gerou uma nova estrutura organizacional, a empresarialização dos serviços públicos, que teve como objetivo o aumento da eficiência. Para tal, foi manifestada uma preocupação com o controle de custos, mantendo os níveis padrão de qualidade e fomentando o desempenho na produção. O setor da saúde não ficou à margem dessa reforma. A transformação dos hospitais do Setor Público Administrativo em Sociedades Anônimas de capitais exclusivamente públicos (S.A.) e posteriormente em Empresas Públicas do Estado (E.P.E) constitui exemplo explícito da influência desse modelo no setor da saúde.


Palavras-chave


Administração Pública; New Public Manegement; Empresarialização; Reformas da saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, P. (2011). Análise comparativa da eficiência dos hospitais S.A. transformados em E.P.E. Lisboa: Chiado Editora.

Almeida, F. (2011). Liberdade de escolha na saúde. In Fernandes, A. (coord). Liberdade de escolha em saúde. Utopia ou realidade? (pp. 41-47). Loures: Diário de Bordo.

Antunes, M. (2000). A doença da saúde. SNS: Ineficiência e desperdícios. Lisboa: Quetzal Editores.

Araújo, J. (2000). Tendências recentes de abordagem à reforma administrativa. Revista Portuguesa de Administração e Políticas Públicas, 1, 38-47.

Araújo, J. (2005). A reforma do SNS: O novo contexto de gestão pública. Braga: Universidade do Minho.

Araújo, J., & Rodrigues, M. (2005). Nova gestão pública na governação local. Braga: Universidade do Minho.

Barros, P. (1999). As políticas de saúde em Portugal nos últimos 25 anos. 6o Encontro Nacional de Economia da Saúde "As desigualdades perante a saúde". Lisboa: Associação Portuguesa de Economia da Saúde.

Bilhim, J. (2000a). Gerir a Administração Pública como uma Empresa. In Bilhim, J. Reforma do Estado (capítulo 7). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

Bilhim, J. (2000b). Ciência da administração. Lisboa: Universidade Aberta.

Botelho, A., & Capelas, H. (2011). Liberdade de escolha na saúde, até que ponto? In Fernandes, A. C. (coord). Liberdade de escolha em saúde. Utopia ou realidade? (pp. 15-20). Loures: Diário de Bordo.

Burgess, S., Propper, C., & Wilson, D. (2006). Extending Choice in English Health Care: The implications of the economic evidence. Journal of Social Policy, 35, 537-555.

Canotilho, J. (2000). Paradigmas de Estado e paradigmas de administração pública. Moderna gestão pública – dos meios aos resultados, ata geral do 2o Encontro INA. Oeiras: INA – Instituto Nacional de Administração.

Carvalho, M. (2013). Gestão em saúde em Portugal – uma década perdida. Porto: Vida Económica.

Denhardt, J., & Denhardt, R. (2003). The new public service: serving, not steering. Armonk, New York: M. E. Sharpe.

Ellis, R. (1998). Creaming, skimping and dumping: provider care on the intensive and extensive margins. Journal of Health Economics, 17, 537-550.

Escoval, A. (2003). Evolução da Administração Pública da Saúde: O Papel da Contratualização. Tese para Obtenção do Grau de Doutor em Organização e Gestão de Empresas. Lisboa: Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE).

Escoval, A., & Matos, T. (2009). A Contratualização e regulação nos hospitais. In Campos, L., Borges, M., e Portugal, R. (eds.). Governação dos Hospitais (pp. 149-186). Alfragide: Casa das Letras.

Ferlie, E. & Pettigrew, A. (1996). The New Public Management in action. Oxford: Oxford University Press.

Fernandes, A. (2011). Liberdade de escolha em saúde: Utopia ou realidade? Loures: Diário de Bordo.

Ferrer, R. (2007). De Pursing equity, contact with primary care and specialist clinicians by Demographics, Insurance and Health. Equity of access to health care services: Theory and evidence from the UK. Social Science and Mechane, 52, 1149-1163.

Gabe, J., Calnan, M., & Bury, M. (1991). The sociology of the health service. London: Routledge.

García, J. (2008). A bed too far: The implementation of freedom of choice policy in the NHS. Health Policy, 87, 31-38.

Giraldes, M. (2001). Equidade em áreas socioeconómicas com impacto na saúde em países da UE? Cadernos de Saúde Pública, 17, 553-554.

Harfouche, A. (2008). Hospitais transformados em empresas. Análise do impacto na eficiência: Um estudo comparativo. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

Harfouche, A. (2012). Opções políticas em saúde. Efeitos sobre a eficiência hospitalar. Coimbra: Edições Almedina.

Hood, C. (1991). A public management for all seasons? Public Administration, 69, 3-19.

Khaleghian, P., & Gupta, M. (2005). Public Management and the essential public health functions. World Development, 33, 1083-1099.

Majone, G. (1997). From the positive to the regulatory state: Causes and consequences of change in the mode of governance. Journal of Public Policy, 17, 139-167.

Martins, G. (2011). O sistema nacional de saúde e a liberdade de escolha. In Fernandes, A. (coord). Liberdade de escolha em saúde. Utopia ou realidade? (pp. 77-81). Loures: Diário de Bordo.

Mendes, P. (2011). Liberdade de escolha em saúde. In Fernandes, A. (coord). Liberdade de escolha em saúde. Utopia ou realidade? (pp. 117-120). Loures: Diário de Bordo.

Mozzicafreddo, J. (2000). Estado-providência e cidadania em Portugal (2a ed.). Lisboa: Celta Editora.

Mozzicafreddo, J. (2010). O papel do Estado na sociedade. Lisboa: Prefácio.

Nunes, R. (2009). Regulação da saúde (2a ed.). Porto: Vida Económica.

Nunes, R., & Rego, G. (2010). Gestão da saúde. Lisboa: Prata e Rodrigues.

Observatório Português dos Sistemas de Saúde (2001). Conhecer os Caminhos da Saúde – Relatório Primavera. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública.

Palfrey, C. (2000). Key concepts in health care policy and planning. London: Macmillan Press.

Pollitt, C., & Boucakaert, G. (2004). Public management reform: A comparative analysis (2a ed.). Oxford: Oxford University Press.

Rego, G. (2011). Gestão empresarial dos serviços públicos. Uma aplicação ao setor da saúde. Porto: Vida Económica.

Rocha, J. (2000). Modelos de gestão pública. Revista Portuguesa de Administração e Políticas Públicas. Braga, 1, 6-16.

Rosanvallen, P. (1995). La crisis del estado providencia. Madrid: Civitas.

Simões, J. (2004). Retrato político da saúde – dependência do percurso e inovação em saúde: da ideologia ao desempenho. Coimbra: Livraria Almedina.

Simões, J., & Lourenço, O. (1999). As políticas públicas de saúde em Portugal nos últimos 25 anos. In Barros, P., & Simões, J. (orgs.). Livro de Homenagem a Augusto Mantas (pp. 99-134). Lisboa: Associação Portuguesa de Economia da Saúde.

Sousa, G. (2011). A livre escolha e o serviço nacional de saúde. In Fernandes, A. C. (coord). Liberdade de escolha em saúde. Utopia ou realidade? (pp. 85-89). Loures: Diário de Bordo.

REFERÊNCIAS LEGAIS

Resolução do Conselho de Ministros no 41/2002 – estabelece medidas para permitir a transformação de estabelecimentos públicos prestadores de cuidados hospitalares em entidades públicas empresariais. Diário da República no 56/2002 – I Série-B, 7 de março de 2002, p. 1868.

Lei no 27/2002 – aprova o regime jurídico da gestão hospitalar. Diário da República no 258/2002 – I Série-A, 8 de novembro de 2002, p. 7150.

Decreto-Lei no 93/2005 – aprova o novo regime jurídico da gestão hospitalar. Diário da República no 109/2005 – I Série-A, 7 de junho de 2005, p. 3636.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v4i2.145

Apontamentos





Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br