Gerenciamento de Processos: Estudo em uma Organização Hospitalar Catarinense

Valdirene Gasparetto, Treice Silva Dornelles

Resumo


O gerenciamento de processos contribui para a redução de custos e melhoria do desempenho das organizações. O objetivo deste trabalho é mostrar o mapeamento e o redesenho de um processo empresarial com vistas ao seu gerenciamento, sendo estudado o processo de faturamento de uma organização hospitalar catarinense. A pesquisa, descritiva e exploratória, com abordagem qualitativa, foi realizada a partir de levantamento bibliográfico, documental e aplicada com o estudo de um caso único – um processo de faturamento, que envolve várias áreas funcionais da organização. Elaborou-se o fluxograma do processo de faturamento, com a identificação de rupturas, sendo então este redesenhado, com vistas à sugestão de implementação dessas melhorias. A partir do redesenho de processos são sugeridos indicadores de desempenho para monitorar os aspectos críticos, de modo a fazer com que o seu gerenciamento seja contínuo. As diversas rupturas identificadas geravam atrasos no atendimento, retrabalho, atividades desnecessárias, não recebimento de recursos por parte dos clientes e dos planos de saúde ou atraso no recebimento desses recursos. Com o redesenho, pode ser melhorado o desempenho financeiro da organização, pode haver melhoria na satisfação e motivação dos colaboradores e melhoria no atendimento aos pacientes, o que pode melhorar a vantagem competitiva da organização hospitalar.


Palavras-chave


Gerenciamento de processos. Organização hospitalar. Processos.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, A., & Rocha, P. (2006). Sincronismo Organizacional. São Paulo: Saraiva.

Andrade, M. M. de (2010). Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 10. ed. São Paulo: Atlas.

Barrett, J. L. (1994). Process visualization: getting the vision right is the key. Information Systems Management, 11 (2), 14-23.

Bjur, W., & Caravantes, G. R. (1994). Reengenharia ou readministração? Do útil e do fútil nos processos de mudança. Porto Alegre: AGE.

Davenport, T. H. (1994). Reengenharia de processos: como inovar na empresa através da tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Campus.

Dellagnelo, E. H. L., & Dellagnelo, J. R. G. (1996, out/dez). Modelos de eficácia subjacentes aos programas de remuneração variável. Revista de Negócios, 2.

Giannini, A. J. H. (2003). A estrutura matricial como instrumento de competitividade – uma aplicação em uma empresa do setor elétrico. 2003. 104 f. Monografia – Curso de Engenharia Mecânica, Departamento de Departamento de Engenharia Térmica e Fluidos,

Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Georges, M. R. R. (2010). Modelagem dos processos de negócio e especificação de um sistema de controle da produção na indústria de autoadesivos. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação. 7(3), 639-668.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, J. E. L. (2000, jan/mar). As empresas são grandes coleções de Processos. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, 1, 6-19.

Hansen, D. R., & Mowen, M. M. (2001). Gestão de Custos: Contabilidade e Controle. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Harrington, J. (1993). Aperfeiçoando processos empresariais. São Paulo: Makron Books.

Hronec, S. M. (1994). Sinais Vitais: usando Medidas de Desempenho da Qualidade, Tempo e Custos para traçar a rota para o futuro de sua empresa. São Paulo: Makron Books.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1997). A Estratégia em Ação – Balanced Scorecard, Rio de Janeiro: Campus.

Lagioia, U. C. T., Ribeiro Filho, J. F., Falk, J. A., Libonati, J. J., & Lopes, J. E. de G. (2008). A gestão por processos gera melhoria de qualidade e redução de custos: o caso da unidade de ortopedia e traumatologia do hospital das clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Revista de Contabilidade e Finanças. São Paulo: USP, 19(48), 77-90.

PMI, Project Management Institute (2008). The Guide to Project Management Body of Knowledge. PMBOK® Guide, 4. ed. Project Management Institute.

Porter, M. E. (1989). A Vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2004). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Beuren, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 76-97.

Reijers, H. A. (2006). Implementing BPM systems: the role of process orientation. Business Process Management Journal, 12(4), 389-409.

Ridderstolpe, L., Johansson, A., Skau, T., Rutberg, H., & Åhlfeldt, H. (2002, August). Clinical Process Analysis and Activity-Based Costing at a Heart Center. Journal of Medical Systems, 26(4).

Rodrigues, V. A., Perroca, M. G., & Jericó, M. C. (2004, Out/Dez). Glosas hospitalares: importância das anotações de enfermagem. Arq. Ciências Saúde, 11, 210-214.

Rummler, G. A., & Brache A. P. (1994). Melhores Desempenhos das Empresas – Uma abordagem Prática para Transformar as Organizações através da reengenharia. São Paulo: Makron Books.

Sbragia, R. (1978, jan/mar). Algumas características da Estrutura Matricial. Revista de Administração, 13(1), 45-66.

Vergidis, K., Turner, C. J., & Tiwari, A. (2008). Business process perspectives: Theoretical developments vs. real-world practice. International Journal Production Economics, 114, 91-104.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Zairi, M. (1997). Business process management: a boundaryless approach to modern competitiveness. Business Process Management Journal, 3(1), 64-80.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v4i2.159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br