Avaliação da Influência da Estrutura Física das Unidades de Internação de Clínica Médica e Cirúrgica de um Hospital Público do Município de São Paulo: Proposta para o Gerenciamento de Risco de Quedas

Chennyfer Dobbins Paes da Rosa, Maria Aparecida Jesus Menezes

Resumo


Estudo de caso que avalia a estrutura física de unidades de internação de clínica médica e cirúrgica e sua influência na gestão do risco de queda dos pacientes internados, identificando as medidas de segurança e propondo um instrumento de apoio para análise da estrutura física de unidades de internação hospitalar com foco no gerenciamento do risco de queda. Nas seis unidades estudadas, identificou-se que a maioria atende os quesitos relacionados às recomendações quanto a dimensões mínimas por quarto/leito, banheiro exclusivo para cada quarto, barras de apoio próximas ao vaso sanitário, sistemas de chamada de enfermagem e piso seco em todos os quartos no momento da observação, barras de apoio no box em todos os banheiros, iluminação de vigília em todos os quartos, iluminação geral fluorescente em todos os quartos e sinalização de enfermagem. Entretanto, na maior parte das unidades o interruptor de luz não era acessível, havia mobiliário com rodízio e sem travas, não possuíam camas elétricas ou com grades em todos os leitos, escada de 2 degraus e com ponteira de borracha.  É proposto um check list, sugestão embasada na literatura científica e legislação vigente dos itens relacionados a estrutura física que devem ser avaliados como fatores de risco de queda e que devem ser incluídos na gestão do risco de queda no planejamento de construções e reformas de edificações destinadas a prestação de serviços de saúde no âmbito hospitalar.


Palavras-chave


eventos adversos; risco de queda; segurança do paciente; gestão de serviços de saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, C., Mendes, A., Monteiro, J. & Santos, F. R. (2012). Quedas em meio hospitalar: um estudo longitudinal. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(3), 7. Recuperado em 21 de abril, 2014, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692012000300023&script=sci_arttext&tlng=pt

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas (2009). Projeto 63:000. 01 -001. Recuperado em setembro de 2014 de https://pt.scribd.com/doc/137736201/ABNT-NBR-ISO-31000-2009-GESTAO-DE-RISCOS-PRINCIPIOS-E-DIRETRIZES

Bacci, L. C. (2203). Gerenciamento corporativo de riscos. São Paulo: TCC/FGV.


Barton, T. L., Shenkir, W. G. and Walker, P. L. (2001). Making Enterprise Risk Management Pay Off: How Leading Companies Implement Risk Management. Financial Executive.

Baraldi, P. (2005). Gerenciamento de Riscos Empresariais. Rio de Janeiro: Elsevier (Editora Campus), 2a edição revista e ampliada.

Brealey, R. e Myers, S. (2005). Financiamento e Gestão de Risco, Bookman

Briner, M., Kessler, O. P. & Manser, T. (2010). Assessing hospitals' clinical risk management: development of monitoring instrument. Recuperado em 12 de outubro, 2013, de http://www.biomedcentral.com/1472-6963/10/337.

Carneiro, A. V. (2010). O erro clínico, os efeitos adversos terapêuticos e a segurança dos doentes: uma análise baseada na evidência científica. Revista Portuguesa de Saúde Pública, Vol. Temat (10), 3-10.

Correa, A., Marques, I., Martinez, M., Laurino, P., Leão, E. & Chimentão, D. (2012). Implantação de um protocolo para gerenciamento de quedas de um hospital: resultados de quatro anos de seguimento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(1), 67-74. Recuperado em 2 de maio, 2014, de www.ee.usp.br/reeusp/

COSO. Committee of Sponsoring organizations of the Treadway Commission. (2007). www.cpa2biz.com. Gerenciamento de Riscos Corporativos. Estrutura Integrada. Sumário Executivo. Estrutura de Grrenciamento de Riscos na Empresa. Integrated Framework: Appliction Techniques, 2 vol. set.item 990015. Recuperado em junho de 2014de www.coso.org/documents/COSO_ERM_ExecutiveSummary_Portuguese.pdf

Degelau, J., Bungum, L., Flavin, P., Harper, C., Leys, K., Londquist, L. & Webb, B. (2012). Health care protocol: prevention of falls (acute care). Recuperado em 27 de abril, 2014, de www.icsi.org

Feldman, F. Chaudhury. H. (2008). Falls and physical environment: A review and a new multifactorial falls-risk conceptual framework. Revue Canadienne D’Ergotherápie, 72(2), 82-95.

Feldman, L.B. Auditoria de Gestão de Risco com Foco Profissional (2010a). In: D’Innocenzo, M., Feldman, L.B., Fazenda, N.R.R., Helito, R.A.B. & Ruthes, R.M. Indicadores, auditorias e certificações: ferramentas de qualidade para gestão em saúde. São Paulo, SP: Martinari.

Kalischi., B. J. & Tschannen, D. (2012). Missed Nursing Care, Staffing, and Patients Falls. Journal Nursing Care Quality, 27, 6-12.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2007).
Guia de orientação para o gerenciamento de riscos corporativos / Instituto Brasileiro de Governança Corporativa; coordenação: Eduarda La Rocque. São Paulo, SP: IBGC, 2007 (Série de Cadernos de Governança Corporativa, 3). 48p.


IRM. The Institute of Risk Management (2002), The Association of Insurance and Risk Managers (AIRMIC), and ALARM The National Forum for Risk Management in the Public Sector. A Risk Management Standard. AIRMIC, ALARM, and IRM.

LoBiondo-Wood, G. & Haber, J. (2001). Desenhos não experimentais. In G. LoBiondo-Wood, & J. Haber. Pesquisa em Enfermagem. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan S.A.

Martins, G. A. & Theóphilo, C. R. (2009). Polo técnico: estratégias de pesquisa. In G. A. Martins, & C. R. Theóphilo, Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo, SP: Atlas.

Ministério da Saúde (1994). Secretaria de Assistência à Saúde: normas para projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília. Recuperado em 1 de junho de 2014, de dtr2001.saude.gov.br/sas/portarias/port98/GM/GM-3535.htm

National Patient Safety Agency [NPSA]. NHS (2008): A risk matrix for risk managers. Recuperado em 14 maio, 2014, de www.npsa.nsh.uk

Novaretti, M. Z. (2014). Aplicação da análise causa raiz como ferramenta na gestão de segurança hospitalar. Revista e Administração da UFSM. v.07. n.03.

Organização Mundial de Saúde [OMS] (2009). Conceptual framework for the international classification for patient safety. Version 1.1. Final

Technical Report. Lisboa.

Paiva, M. M., Paiva, S. R., Berti, H. W., & Campana, Á. (2010). Caracterização das quedas de pacientes segundo notificação em boletins de eventos adversos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44 (1), 134-138.

Resolução RDC Nº 50 de 21 de fevereiro de 2002. (s.d.). Recuperado de http://www.anvisa.gov.br/hotsite/segurancadopaciente/documentos/rdcs/RDC%20N%C2%BA%2050-2002.pdf

Silva, A. E. B. C., Teixeira, T.C. A. & Cassiani, S. H. B. (2009). Ferramentas Utilizadas para a gestão dos riscos: FMEA – Análise do Modo e Efeito da Falha e RCA – Análise de Causa Raiz. In Feldman. L. B. (Org). Gestão de Risco e segurança Hospitalar. Prevenção de danos ao paciente, notificação, auditoria de risco. Aplicabilidade de ferramentas, monitoramento. São Paulo, SP: Martinari.

Stalhandske, E., DeRosie, J., Wilson, R. & Murphy, J. (2009). Healthcare FMEA in the Veterans Health Administration. Patient Safety & Quality Helthcare. Recuperado em novembro, 2014, de http://psqh.com/healthcare-fmea-in-the-veterans-health-administration.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v4i1.177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br