A Dependência de Insumos Farmacêuticos Importados no Brasil: Um Estudo de Caso do Medicamento Antirretroviral Nevirapina no Laboratório Farmacêutico Oficial Farmanguinhos

Elaine Cristina Ferreira Dias, Munik Camargo Pereira Ambrosino, Núbia Regina de Oliveira, Jorge Lima de Magalhães

Resumo


O Brasil é o principal mercado farmacêutico da América Latina e, apesar da posição de destaque, o país produz somente cerca de 2% do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) – substância responsável pelo efeito terapêutico do medicamento – comparado ao total importado. O objetivo deste trabalho foi analisar a dependência nacional do insumo farmacêutico importado Nevirapina para a produção do medicamento antirretroviral (ARV) no Laboratório Farmacêutico Oficial Farmanguinhos. Foi evidenciado que o IFA utilizado para a produção dos medicamentos ARV Nevirapina de 2009 a 2013 foi importado e representou mais de 70% do custo final do medicamento. A aquisição de IFA no mercado internacional tem como consequência o impacto no déficit da balança comercial brasileira e, para que esse déficit seja reduzido, observa-se a necessidade do fortalecimento do Complexo Econômico Industrial da Saúde, como a indústria farmoquímica nacional, por meio de políticas públicas articuladas e mecanismos de financiamento à inovação tecnológica.


Palavras-chave


Insumo farmacêutico AIDS; Nevirapina; Indústria Farmoquímica; Tratamento.CÓDIGOS JEL: I18; O32; O31; O38

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, A.; MAGALHÃES, J. A Indústria Farmacêutica: Políticas do Brasil no Setor e o Caso do Laboratório Público Farmanguinhos in Oportunidades em medicamentos genéricos: a indústria farmacêutica brasileira. Capítulo 1. Editora INTERCIENCIA. Rio de Janeiro, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE QUÍMICA FINA, BIOTECNOLOGIA E SUAS ESPECIALIDADES (ABIFINA). Estatísticas 2007 a 2013. Disponível em: http://www.abifina.org.br/saldo.php. Acesso em: 13/04/14.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA FARMOQUÍMICA E DE INSUMOS FARMACÊUTICOS (ABIQUIFI). Mercado Estatísticas. Disponível em: http://www.abiquifi.org.br/mercado_estatisticas.html. Acesso em: 13/04/14.

BRASIL. Lei no 8.666, de 21 de Junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.

CANCHUMANI, R. M. L. A indústria químico-farmacêutica no Brasil e na Índia: um estudo comparativo de desenvolvimento industrial, 2003 (Tese de Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, UFF, Niterói.

CAPANEMA, L.; PALMEIRA FILHO, P. L. Indústria farmacêutica brasileira: reflexões sobre sua estrutura e potencial de investimentos. Perspectivas do investimento 2007/2010, Rio de Janeiro, p. 195, 2007.

FARMANGUINHOS. Memento terapêutico. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www2.far.fiocruz.br/farmanguinhos/images/stories/phocadownload/nevirapina.pdf. Acesso em: 28/03/2014.

__________________. Notícias. Disponível em: . Acesso em: 30/04/2014.

___________________. Notícias. Disponível em: . Acesso em: 02/05/2014.

FERST, G. C. Análise da indústria farmacêutica no Brasil: surgimento e desenvolvimento da indústria nacional, 2013 – Graduação, Faculdade de Ciências Econômicas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRS, Porto Alegre.

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA FARMACÊUTICA 2003-2006 (FCCPF). O desafio de prosseguir. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ministério da Saúde. Série B, Textos básicos de saúde. Brasília – DF – 2007.

GADELHA, C. A. G. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciência Saúde Coletiva v. 8, n. 2. Rio de Janeiro, 2003.

GADELHA, C. A. G.; MALDONADO, J. M. S. V.; VARGAS, M.; BARBOSA, P. R. Sistema produtivo: Complexo Econômico Industrial da Saúde. In: Gadelha (coord.), Projeto Perspectiva de Investimento no Brasil (IE-UFRJ/IE Unicamp/BNDES). Rio de Janeiro: Outubro, 2009.

HASENCLEVER, L.; FIALHO, B.; KLEIN, H.; ZAIRE, C. Economia Industrial de Empresas Farmacêuticas. Rio de Janeiro, 2010.

INTERFARMA. Guia 2013. Disponível em: http://www.interfarma.org.br/uploads/biblioteca/33-guia-interfarma-2013-site.pdf. Acesso em: 13/04/14.

IMS Health. IMS World Review, 2012. Disponível em: http://www.imshealth.com/portal/site/imshealth. Acesso em: 28/04/2014.

MAGALHÃES, J. L.; BOECHAT, N.; ANTUNES, A. M. S. Laboratórios farmacêuticos oficiais e sua relevância para saúde pública do Brasil. RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 85-99, mar. 2011.

MELO, L. As cem empresas que mais investiram em pesquisa em 2013. Revista Exame. Disponível em: . Acesso em: 28/04/2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pagina/medicamentos-antirretrovirais. Acesso em: 14/04/2014.

_______________________. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pagina/quais-sao-os-antirretrovirais. Acesso em: 31/03/2015.

_______________________. Portaria GM/MS no 204. Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento, com o respectivo monitoramento e controle. Brasília. 29 jan. 2007.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC). Desenvolvimento da Produção – Notícias. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/sitio/interna/noticia.php?area=2&noticia=12469. Acesso em: 23/04/2014.

PINTO, A. C.; BARREIRO, E. J. L. Desafios da Indústria Farmacêutica Brasileira, Quim. Nova, v. 36, n. 10. Rio de Janeiro, 2013.

SHIKIDA, P. F. A.; & BACHA, C. J. C. Notas sobre o modelo schumpeteriano e suas principais correntes de pensamento. Teor. Evid. Econ. Passo Fundo, v. 5, n. 10, p. 107-126, maio 1998.

VIEIRA, F. S. Assistência farmacêutica no sistema público de saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publica, v. 27, n. 2, p. 149-56, 2010.

VIEIRA, V. M. M.; OHAYON, P. Inovação em fármacos e medicamentos: estado-da-arte no Brasil e políticas de P&D. Revista de Economia & Gestão, v. 6, n. 13, p. 1-23, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i2.194

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br