Gestão da Saúde Pública: Análise Sobre os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Humano

Isabela Braga da Matta, Marco Aurélio Marques Ferreira, Rosângela Minardi Mitre Cotta, Rodrigo Siqueira-Batista

Resumo


O objetivo das políticas de saúde é alcançar, a longo prazo, uma melhoria na qualidade de vida da população. Por meio da Atenção Primária à Saúde (APS) é possível perceber mais claramente a relação dessas políticas com o desenvolvimento humano. No entanto, a qualidade de vida pode ser influenciada por outros fatores, que não só os relacionados com a saúde. No Brasil existem programas voltados para alguns desses diferentes aspectos. Este estudo utiliza como principais bases teóricas as referentes à Administração Pública, Qualidade de Vida e Atenção Primária à Saúde, com o intuito de verificar quais fatores influenciam no desenvolvimento humano municipal e, por consequência, na qualidade de vida da população. Para tanto, neste trabalho, pretendeu-se utilizar técnicas estatísticas de regressão e cluster em 761 municípios de Minas Gerais. Dessa forma, foi possível mostrar que a qualidade de vida é influenciada por vários fatores socioeconômicos, trabalhados por diversos setores do governo, como a Secretaria do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Ministério das Cidades e outros. Isso sustenta os argumentos de que o foco das políticas públicas deve ser ampliado de forma que trabalhem os fatores positivos que influenciam a qualidade de vida e corrijam outros pontos que influenciem negativamente. Essa prática possibilitaria alertar gestores sobre a importância da atenção primária, como cuidado para se conhecer as características do município, a fim de que se possa desenvolver políticas e programas específicos, de modo que a gestão municipal possa proporcionar melhores condições para a qualidade de vida da população. 


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde, Administração Pública, Qualidade de Vida

Texto completo:

PDF

Referências


Abdalla, M. M., Azevedo, C. E. F., Gonzalez, R. K., Oliveira, L. G. L. & Nippes, R. C. (2012). Finanças nos cursos de Administração: Análise do interesse pessoal discente. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 13 (1), 87-101.

Alfradique, M. E., Bonolo, P. F., Dourado, I., Lima-Costa, M. F., Macinko, J., Mendonça, C. S., Oliveira, V. B., Sampaio, L. F. R., Simoni, C. & Turci, M. A. (2009). Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto Icsap-Brasil). Cadernos de Saúde Pública, 25 (6), 1337-1349.

Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil (2013). Recuperado em 12 de novembro de 2013 de: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/.

Baker, W. E. (2003). Defining Quality of Life in Alabama: A Perceptual Community Based Definition for Local Leaders. International Journal of Public Administration, 26 (7), 733-751.

Bezerra, P. C. L., Optiz, S. P., Koifman, R. J. & Muniz, P. T. (2011). Percepção de saúde e fatores associados em adultos: inquérito populacional em Rio Branco, Acre, Brasil, 2007-2008. Cadernos de Saúde Pública, 27(12), 2441-2451.

Banco de Saúde [s.d.]. Cid 10 Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Recuperado em 15 de novembro de 2013 de: http://cid10.bancodesaude.com.br/cid-10/capitulos.

Buss, P. M. (2000). Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 5 (1), 163-177.

BRASIL, Avaliação na Atenção Básica em Saúde: caminhos da institucionalização / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação de Acompanhamento e Avaliação; Coordenação técnica: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia e Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira, IMIP. – Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Campos, G. W., Barros, R. B. & Castro, A. M. (2004). Avaliação de política nacional de promoção à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3), 745-749.

Cerqueira, D. (2013). Mapa de Homicídios Ocultos no Brasil. Ipea, Brasília. Resgatado em 09 de julho de 2013 de:

http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=19232

Constituição do Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: Constituição do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988. (35). Brasília: Câmara dos Deputados. Resgatado em 08 de setembro de 2015 de: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/15261/constituicao_federal_35ed.pdf?sequence=9.

Costa F. B., Trindade M. A. N., Pereira M. L. T. (2010). A inserção do biomédico no programa de saúde da família. Revista Eletrônica Novo Enfoque, 11(11), 27-33.

Dawson B. (1964). Informe Dawson sobre el futuro de los servicios médicos y afines, 1920: informe provisional presentado al Ministerio de Salud de la Gran Bretaña en 1920 por el Consejo Consultivo de Servicios Médicos y Afines. Washington, Organización Panamericana de la Salud (OPS).

Departamento de Atenção Básica [s.d.]. Resgatado em setembro de 2015 de: http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_o_que_e.php. Acesso em 03/09/2015.

Diwan, R. (2000). Relational wealth and the quality of life. Journal of Socio-Economics 29, 305-340.

Fryback, D. G. (2010). Measuring Health-related quality of life. Workshop on Advancing Social Science Theory: The importance of Common Metrics The National Academies, Division of Behavioral and Social Sciences and Education Washington, D. C.

Hair, J. F., Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6. ed.). Porto Alegre: Editora Bookman.

Henrique, F. & Calvo, M. C. M. (2008). Avaliação do Programa Saúde da Família nos municípios do Estado de Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(4):809-819.

Índice Mineiro de Responsabilidade Social – IMRS (2011). Resgatado em 05 de agosto de 2013 de: http://www.fjp.mg.gov.br/index.php/indicadores-sociais/-imrs-indice-mineiro-de-responsabilidade-social.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2010). CENSO 1010. Recuperado em 03 de outubro de 2013 de:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default_resultados_universo.shtm.

L’Abbate, S. (2009). Direito à Saúde: Discursos e práticas na construção do SUS. São Paulo: Hucitec.

Leite, R. F. B. & Veloso, T. M. G. (2009). Limites e avanços do Programa Saúde da Família de Campina Grande: um estudo a partir de representações sociais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 50-62.

Medeiros, C. R. G., Meneghel, S. N., Gerhardt, T. E. (2012). Desigualdades na mortalidade por doenças cardiovasculares em pequenos municípios. Ciência & Saúde Coletiva, 17(11), 2953-2962.

Melo, T. R., Jansen, A. K., Pinto, R. M. C., Morales, R. R., Morales, N. M., Prado, M. M. & Silva, C. H. M. (2011). Qualidade de vida de cuidadores de crianças e adolescentes com sobrepeso ou obesidade. Revista Esc. Enfermagem USP, 45(2), 319-26.

Melo, W. F. & Domenico, S. M. R. (2012). A Influência dos Valores Organizacionais no Desempenho de Agências Bancárias. RAC, 16 (1), 137-156.

Mickel, A., Dallimore, E. J. & Nelson, C. (2008). What does the pursuit of a high quality of life entail?: Grounding a theoretical. Community, Work & Family, 11 (3), 313-336.

Minayo, M. C. S., Hartz, Z. M. A. & Buss, P. M. (2000). Qualidade de vida e saúde: Um debate Necessário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 5 (1),7-18.

Ministério da Saúde (2002). Secretaria de políticas de Saúde. Projeto de Promoção da Saúde. As Cartas de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (2005). Avaliação na Atenção Básica em Saúde: caminhos da institucionalização/Ministério da Saúde. Coordenação técnica: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia e Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira, IMIP – Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado em janeiro de 2012 de: http://dtr2002.saude.gov.br/caadab/arquivos/avalia%E7%E3o%20na%20aten%E7%E3o%20basica%20em%20saude.pdf. Acesso em 23 de janeiro de 2012.

Ministério da Saúde [s.d.]. Informações de Saúde. Recuperado em 04 de agosto de 2013 de: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02.

Paschoa, S., Zanei, S. S. V. & Whitaker, I. Y. (2007). Qualidade de Vida dos trabalhadores de Enfermagem de unidades de terapia intensiva. Acta Paul. Enferm., 20 (3), 305-10.

Pestana, M. H. & Gageiro, J. N. (2005). Análise de dados para Ciências Sociais: A complementaridade do SPSS (4. ed.). Lisboa: Sílabo.

Reinert, M. & Maciel, C. O. (2012). Análise das Díades para Compreender a Semelhança da Ação Estratégica: uma aplicação da Regressão Múltipla QAP (MRQAP). REDES – Revista hispana para el análisis de redes sociales, 22 (5), 81-105.

Santos, L. M. (2011). Avaliação do Desempenho da alocação dos recursos na região Sudeste do Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração), Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Seaone, A. F. & Fortes, P. A. C. (2009). A percepção do usuário do programa saúde da família sobre a privacidade e a confidencialidade de suas informações. Saúde e Sociedade, 18(1), 42-49.

Seidl, E. M. F. & Zannon, C. M. L. C. (2004). Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Caderno Saúde Pública, 20 (2), 580-588.

Sícoli, J. L. & Nascimento, P. R. (2003). Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 7 (12), 101-22.

Silva, C. A. T., Rodrigues, F. F. & Abreu, R. L. (2007). Análise dos Relatórios de Administração das Companhias Abertas Brasileiras: um Estudo do Exercício Social de 2002. RAC, 11 (2), 71-92.

Smith, K., W. Avis, N. E. & Assmann, S. F. (1999). Distinguishing between quality of life and health status in quality of life research: A meta-analysis. Quality of Life Research, 8 (5), 447-459.

Souza, G. C. A. & Costa, I. C. C. (2010). O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. Saúde e Sociedade, 19 (3), 509-517.

Spinks, J. & Hollingsworth, B. (2009). Cross-country comparisons of technical efficiency of health production: a demonstration of pitfalls. Applied Economics, 41, 417-427.

Tamayo, N. & Abbad, G. (2006). Autoconceito Profissional e Suporte à Transferência e Impacto do Treinamento no Trabalho. RAC, 10 (3), 09-28.

Teixeira, C. F. (2004). O SUS e a Vigilância em Saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Org.). Rio de Janeiro: Fiocruz/EPSJV/proformar.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i1.200

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br