O Contexto do Estresse Ocupacional dos Trabalhadores da Saúde: Estudo Bibliométrico

Cláudia Aparecida Avelar Ferreira, Mário Teixeira Reis Neto, Zélia Miranda Kilimnik, Adaílson Soares dos Santos

Resumo


O estresse é uma temática sempre atual oriunda da diversidade de contexto social e vulnerabilidades a que os trabalhadores estão sujeitos no processo laboral. Devido ao impacto do estresse ocupacional no desempenho individual e organizacional das instituições de saúde, buscou-se mapear a produção científica através da bibliometria nos periódicos da administração, preferencialmente, e, a posteriori, nos demais periódicos referentes à gestão do estresse nos trabalhadores da saúde, levantar as causas, consequências e medidas de prevenção. O estudo caracteriza-se como revisão bibliográfica através de uma pesquisa descritiva. Dos 30 artigos analisados em 28 periódicos, verifica-se um crescimento do número de artigos sobre o tema a partir de 2010, destacando-se um aumento de publicações em 2011, 2012 e 2014. As principais causas detectadas foram sobrecarga de trabalho, falta de recursos humanos, condição laboral inadequada, trabalho em turno. As consequências foram estresse, burnout, queixas psicossomáticas, comprometimento no trabalho podendo levar a erros médicos, intenção de mudança e absenteísmo. As medidas de prevenção foram políticas de valorização do trabalhador, criação de condições de trabalho salubres, redução de horas de trabalho em turno, reposição do quadro funcional, oferecimento de apoio social, promoção de integração entre os trabalhadores, justiça organizacional e penal, respeito e educação.

Palavras-chave


Estresse. Trabalhador da Saúde. Burnout.

Texto completo:

PDF

Referências


Ager, A.; Pasha, E.; Yu, G.; Duke, T.; Eriksson, C. & Cardozo, B. L. (2012). Stress, Mental Health, and Burnout in National Humanitarian Aid Workers in Gulu, Northern Uganda. Journal of Traumatic Stress, 25(6), 713-20.

Albini, E.; Zoni, S.; Parrinello, G.; Benedetti, L. & Lucchini, R.(2011). An integrated model for the assessment of stress related risk factors in health care professional. Industrial Health, 49(1), 15-23.

Almeida, M. H. R. G. (2012). Stress, burnout and coping: um estudo realizado com psicólogos algarvios. Revista Administração FACES Journal, 11(2), 131-155.

Andrade, A. N. M.; Albuquerque, M. A. C. & Andrade, A. N. M. (2011). Avaliação do Nível de estresse do anestesiologista da Cooperativa de Anestesiologia de Sergipe. Revista Brasileira Anestesiologia, 61(4), 490-494.

Antoniazzi, A. S.; Dell’Aglio, D. D. & Bandeira, D. R. (2000). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 5(1), 287-312.

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução história e questões atuais. Em Questão, 12(1), 11-32.

Avelar, E. A.; Vieira, E. A. & Santos, T. S. (2011). Gestão do conhecimento: uma análise das pesquisas brasileiras desenvolvidas na primeira década do século XXI. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 1(2), 150-165.

Barcaui, A. & Limongi-França, A. C. (2014). Estresse, enfrentamento e qualidade de vida: um estudo sobre gerentes brasileiros. Revista Administração Contemporânea, 18(5), 670-694.

Boldor, N.; Bar-Dayan, Y.; Rosenbloom, T. & Shemer, J. (2012). Optimism of health care workers during a disaster: a review of the literature. Emerging Health ThreatsJournal, 5, 7270.

Cooper, C. L. (2007). A natureza mutante do trabalho: o novo contrato psicológico e os estressores associados. In: Rossi, A. M.; Perrewé, P. L.; Sauter, S. L. (Orgs.), Qualidade de vida no trabalho: perspectivas atuais da saúde ocupacional (pp. 3-8). São Paulo: Atlas.

Cooper, C. L.; Sloan, S. J. & Williams, J. (1988). Occupational stress indicator management guide. Windsor: NFER-Nelson.

Cooper, C. L.; Cooper, R. D.; Eaker, L. H. (1988). Living with stress. London: Penguin Books.

Dalmolin, G. L.; Lunardi, V. L.; Lunardi, G. L.; Barlem, E. L. D. & Silveira, R. S. (2014). Sofrimento moral e síndrome de Burnout: existem relações entre esses fenômenos nos trabalhadores de enfermagem? Revista Latino-Americana Enfermagem, 22(1), 1-8.

Dieleman, M. & Harnmeijer, J. W. (2006). Improving health worker performance: in search of promising practices. Geneva: World Health Organization.

Ding, Y.; Qu, J.; Yu, X. & Wang, S. (2014). The mediating effects of burnout on the relationship between anxiety symptoms and occupational stress among community healthcare workers in China: a cross-sectional study. PLos One, 9(9), e107130.

Dorrian, J.; Paterson, J.; Dawson, D.; Pincombe, J.; Grech, C. & Rogers, A. F. (2011). O sono, estresse e comportamentos compensatórios em enfermeiras e parteiras australianas. Revista Saúde Pública, 45(5), 922-930.

Farias, S. M. C.; Teixeira, O. L. C.; Moreira, W.; Oliveira, M. A. F. & Pereira, M. O. (2011). Caracterização dos sintomas físicos de estresse na equipe de cuidados de saúde de emergência. Revista Escola Enfermagem USP, 45(3), 722-729.

Festinger, L. (1954). A theory of social comparison processes. Human Relations, 7, 117-140.

Fiabane, E.; Giorgi. I.; Sguazzin, C. & Argentero, P. (2013). Work engagement and occupational stress in nurses and other health care workers: the role of organisational and personal factors. Journal of Clinical Nursing, 22, 2614-2624.

Filgueiras, J. C. & Hippert, M. I. S. (1999). A polêmica em torno do conceito de estresse. Psicologia Ciência e Profissão, 19(3), 40-51.

Foureur, M.; Besley, K.; Burton, G.; Yu, N. & Crisp, J. (2013). Enhancing the resilience of nurses and midwives: Pilot of a mindfulness- based program for increased health, sense of coherence and decreased depression, anxiety and stress. Contemporary Nurse, 45(1), 114-125.

Friedman, M. D. & Rosenman, R. H. (1974). Type A behavior and your heart. New York: Knopf.

Ganster, D. C. & Rosen, C. C. (2013). Work stress and employee health: a multi-disciplinary review. Journal of Management, 39(5), 1085-1122.

Gibb, J.; Cameron, I. M.; Hamilton, R.; Murphy, E. & Naji, S. (2010). Mental health nurses’ and allied health professionals’ perceptions of the role of the Occupational Health Service in the management of work-related stress: how do they self-care? Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing, 17(9), 838-845.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (pp.43-49). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, C. A. & Meirelles, A. M. (2004). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Editora Atlas.

Gregov, L.; Kovačević, A. & Slišković, A. (2011). Stress among Croatian physicians: comparison between physicians working in emergency medical service and health centers: pilot study. Croat Medical Journal, 52(1), 8-15.

Guido, L. A.; Goulart, C. T.; Silva, R. M.; Lopes, L. F. D. & Ferreira, E. M. (2012). Estresse e Burnout entre residentes multiprofissionais. Revista Latino-Americana Enfermagem, 20(6), 1064-1071.

Happell, B.; Dwyert, T.; Reid-Searl, K; Burke, K. J.; Caperchione, C. M. & Gaskin, C. J. (2013). Nurses and stress: recognizing causes and seeking solutions. Journal Nursing Management, 21(4), 638-47.

Hu, Y. H.; Wang, D. & Xug, X. U. P. (2014). The relationship between work stress and mental health in medical workers in East China. Social behavior and personality, 42(2), 237-244.

Karasek Jr., R. A. (1979). Administration Science Quartely, 24(2), 285-308.

Kilimnik, Z. M.; Bicalho, R. F. S.; Oliveira, L. C. V. & Mucci, C. B. M. R. (2012). Análise do estresse, fatores de pressão do trabalho e comprometimento com a carreira: um estudo com médicos de uma unidade de pronto atendimento de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revista Gestão e Planejamento Unifacs, 12(3), 668-693.

Lacaz, F. A. C. (2013). Vigilância em saúde do trabalhador como elemento constitutivo da saúde do trabalhador no Sistema Único de Saúde (SUS): aspectos históricos e conceituais. In: Correa, M. J. M., Vigilância em saúde do trabalhador no Sistema Único de Saúde. Teorias e Práticas (pp. 35-60). Belo Horizonte: Coopmed.

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (2004). Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

Laranjeira, C. A. (2011). The effects of perceived stress and ways of coping in a sample of Portuguese health workers. Journal of Clinical Nursing, 21, 1755-1762.

Lavoie-Tremblay, M.; Trepanier, S. G.; Fernet, C. & Bonneville-Roussy, A. (2014). Testing and extending the triple match principle in the nursing profession: a generational perspective on job demands, job resources and strain at work. Journal of Advanced Nursing, 70(2), 310-322.

Magalhães, E.; Oliveira, A. C. M. S.; Govêia, C. S.; Ladeira, L. C. A.; Queiroz, D. M. & Vieira, C. V. (2015). Prevalencia del síndrome de burnout entre los anestesistas del Distrito Federal. Brazilian Journal of Anesthesiology, 65(2), 104-110.

Magnavita, N. & Heponiemi, T. (2012). Violence towards health care workers in a Public Health Care Facility in Italy: a repeated cross-sectional study. BMC Health Services Research, 12(108), 1-9.

Maia, P. L. O.; Ziviani, F.; Maia, L. C. G. & Ferreira, M. A. T. (2014). Gestão da Inovação: análise bibliométrica e sociométrica das principais publicações científicas no período de 2000 a 2013. In: XXVIII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Belo Horizonte/MG. Anais 2014.

Mendonça Neto, O. R.; Riccio, E. L.; Sakata, M. C. G. (2009). Dez anos de pesquisa contábil no Brasil: análise dos trabalhos apresentados nos Enanpads de 1996 a 2005. Revista de Administração de Empresa – RAE, 49(1), 62-73.

Metzker, C. A. B.; Moraes, L. F. R. & Pereira, L. Z. P. (2012). O fisioterapeuta e o estresse no trabalho: estudo em um hospital filantrópico de Belo Horizonte-MG. Revista Gestão & Tecnologia, 12(3), 174-196.

Minayo, M. C. S. (1998). O conceito de metodologia de pesquisa. In: Minayo, M. C. S. et al., Pesquisa social: teoria, método e criatividade (p.16). Petrópolis: Vozes.

Moraes, L. F. R. & Kilimnik, Z. M. (1994). Comprometimento organizacional, qualidade de vida e stress no trabalho: uma abordagem de diagnóstico comparativo. Relatório de Pesquisa. Belo Horizonte: UFMG.

Moraes, L. F. R.; Kilimnik, Z. M. & Ladeira, M. B. (1994). O stress: as abordagens do fenômeno dentro e fora das organizações. Belo Horizonte: FACE-UFMG.

Murta, S. G. & Tróccoli, B. T. (2004). Avaliação de intervenção em estresse ocupacional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(1), 39-47.

Ndiaye, P.; Seye, A. C.; Diedhiou, A.; Deme, B. S. D. & Tal-Dia, A. (2007). Perception de la motivation chez lês médecins Du secteur public de La région de Dakar (Sénégal). Service de Médecine Préventive Et Santé Publique, 17(4), 223-228.

Olivier, M.; Perez, C. S. & Behr, S. C. F. (2011). Trabalhadores afastados por transtornos mentais e de comportamento: o retorno ao ambiente de trabalho e suas consequências na vida laboral e pessoal de alguns bancários. Revista Administrativa Contemporânea, 15(6), 993-1015.

Oore, D. G.; Leblanc, D.; Day, A.; Leiter, M. P.; Spence Laschinger, H. K. & Price, S. L. et al. (2010). When respect deteriorates: incivility as a moderator of the stressor-strain relationship among hospital workers. Journal of Nursing Management, 18(8), 878-888.

Paiva, K. C. M.; Gomes, M. A. N. & Helal, D. H. (2015). Estresse ocupacional e síndrome de burnout: proposição de um modelo integrativo e perspectivas de pesquisa junto a docentes do ensino superior. Gestão & Planejamento, 16(3), 285-309.

Paula, G. S.; Reis, J. F.; Dias, L. C.; Dutra, V. F. D.; Braga, A. L. S. & Cortez, E. A. (2010). O sofrimento psíquico do profissional de enfermagem da unidade hospitalar. Aquichán, 10(3), 267-279.

Pereira, L. Z. & Zille, G. P. (2010). O estresse no trabalho: uma análise teórica de seus conceitos e suas inter-relações. Revista Gestão e Sociedade CEPEAD/UFMG, 4(7), 414-434.

Potocka, A. (2012). Questionnaires for assessment of work-related psychosocial hazards-a review of diagnostic tools. Medycyna Pracy, 63(2), 237-50.

Ramos, F. P.; Enumo, S. R. F. & Paula, K. M. P. (2015). Teoria Motivacional do Coping: uma proposta desenvolvimentista de análise do enfrentamento do estresse. Estudos de Psicologia (Campinas), 32(2), 269-279.

Rizzo, L. V. (2012). Einstein na PubMed. Einstein (São Paulo), 10(3), vii.

Romani, M. & Ashkar, K. (2014). Burnout among physicians. Libyan Journal of Medicine, 9, 23554.

Rössler, W. (2012). Stress, burnout, and job dissatisfaction in mental health workers. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 262(2), 65-69.

Santana, L. L.; Miranda, F. M. & Karino, M. E. (2013). Description of workloads and fadigue experienced among health workers in a teaching hospital. Revista Gaúcha Enfermagem, 34(1), 64-70.

Sant´Anna, S. A. & Kilimnik, M. Z. (2011). Relações entre qualidade de vida no trabalho e estresse ocupacional: perspectivas teóricas. In: Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos (pp.177-199). Rio de Janeiro: Elsevier.

Santana, J. P. (2011). Um olhar sobre a cooperação Sul-Sul em saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 16(6), 2993-3002.

Selye, H. (1974). Stress without distress. Filadélfia: Lippincott.

Soares, I. N. L.; Souza, L. C. G.; Castro, A. F. L. & Alves, C. F. O. (2011). Análise do estresse ocupacional e da síndrome de burnout em profissionais de estratégia saúde da família no município de Maceió/Al. Revista Semente, 6(6), 84-98.

Souza, M. T. S. & Ribeiro, H. C. M. (2013). Environmental sustainability: a meta-analysis of production in Brazilian management journals. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 368-396.

Stewart, W. & Terry, L. (2014). Reducing burnout in nurses and care workers in secure settings. Nursing Standard, 28(34), 37-45.

Tol, W. A.; Barbui, C.; Bisson, J.; Cohen, J.; Hijazi, Z. & Jones, L. et al. (2014). World Health Organization Guidelines for Management of Acute Stress, PTSD, and Bereavement: Key Challenges on the Road Ahead. PlosMedicine, 11(12), 1-5.

Ulhôa, M. L.; Garcia, F. C.; Lima, C. T. & Castro, P. A. A. (2011). Estresse ocupacional dos trabalhadores de um hospital público de Belo Horizonte: um estudo de caso nos centros de terapia intensiva. REGE Revista de Gestão, 18(3), 409-426.

Vallereto, F. A. & Alves, D. F. (2013). Fatores desencadeadores do estresse ocupacional e da síndrome de burnout em enfermeiros. Revista Saúde Física e Mental UNIABEU, 3(2), 1-11.

Veronika, M.; Zoltán, C.; Attila, O.; Dóra, P. F. & Szilvia, A. (2013).Coping with work-related stress in health care professionals-strategies for prevention of burnout and depression. Orvosi Hetilap, 154(12), 449-454.

Whitebird, R. R.; Asche, S. E.; Thompson, G. L.; Rossom, R. & Heinrich, R. (2013). Stress, Burnout, Compassion Fatigue, and Mental Health in Hospice Workers in Minnesota. Journal of Palliative Medicine, 16(12), 1534-39.

Zanini, G. B.; Pinto, M. D. S.; Filippim, E. S. (2012). Análise bibliométrica aplicada à gestão do conhecimento. Conhecimento Interativo, 6(2), 124-140.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i2.233

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br