Perfil das Internações em Unidades de Terapia Intensiva Adulto na Cidade de Anápolis – Goiás – 2012

Regina Ribeiro de Castro, Nelson Bezerra Barbosa, Thiago Alves, Estela Najberg

Resumo


A integralidade na atenção à saúde tem como uma de suas dimensões o acesso aos diversos níveis de densidade tecnológica do sistema, que abrangem unidades básicas, ambulatórios de especialidades e unidades hospitalares. A Unidade de Terapia Intensiva é o setor hospitalar que atende os pacientes que se encontram em risco de agravamento por condições que não puderam ser evitadas ou controladas. O presente trabalho tem como objetivo descrever o perfil de internações em unidades de terapia intensiva adultas, na cidade de Anápolis, Goiás, no ano de 2012. Trata-se de pesquisa descritiva, documental, retrospectiva, com abordagem quantitativa das informações. Os dados demonstram que a média de internações foi inferior a mil casos por ano, com prevalência do sexo masculino; as faixas etárias prevalentes corresponderam à fase adulta mais avançada e idosa; das três unidades analisadas, duas tiveram a média de permanência inferior à de outros estudos, com exceção de um hospital de urgências; os principais motivos de internação foram o Infarto Agudo do Miocárdio, o Acidente Vascular Encefálico e a Insuficiência Cardíaca Congestiva. A taxa de mortalidade foi superior à média encontrada na maioria dos estudos. Os resultados evidenciam o impacto da transição demográfica e epidemiológica na procura e utilização dos serviços de saúde.


Palavras-chave


Saúde Pública; Morbidade; Mortalidade; Terapia intensiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Cabral, C. R., Teixeira, C., Oliveira, R. P., Hass, J. S., Azzolin, K. O. (2009). Avaliação da mortalidade e qualidade de vida dois anos após a alta do CTI: dados preliminares de uma coorte prospectiva. Revista Brasileira Terapia Intensiva, v.21, n.1. Obtido em 15 de set. de 2012 do URL: http://www.scielo.br/pdf/rbti.pdf.

Cabrera, L. S., Sánchez-Palacios, M., Medina, E. H., Robaina, P. E., Villanueva-Hernández, Á. (2008). Características y pronóstico de los pacientes mayores con estancia muy prolongada en una Unidad de Cuidados Intensivos. Med. Intensiva, v.32, n.4. Obtido em 20 de jan. de 2015 do URL: http://www.scielo.isciii.es/scielo.php.

Cohn, A., Elias, P. E. M. (2003). Saúde no Brasil: políticas e organização de serviços. 4a ed. São Paulo: Cortez.

Domingues, C. A. (2008). Probabilidade de Sobrevida: comparação dos resultados do trauma [tese]. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo: São Paulo.

Feijó, C. A. R., Leite Júnior, F. O., Martins, A. C. S., Furtado Júnior, A. H., Cruz, L. L. S., Meneses, F. A. (2006). Gravidade dos pacientes admitidos à Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Universitário Brasileiro. Revista Brasileira Terapia Intensiva, v.18. n.1. Recuperado em 23 de jun. de 2015 de URL: http://www.amib.org.br/rbti/download.pdf.

Freitas, H., Moscarola, J. (2002). Da observação à decisão: métodos de pesquisa e de análise quantitativa e qualitativa de dados. Revista de Administração de Empresas, v.1. n.1. Recuperado em 06 de nov. de 2014 de URL: http://www.scielo.br/pdf/raeel/.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Obtido em 07 de dez. de 2012 do URL: http://www.ibge.gov.br/home/noticia_visualiza.php.

Laizo, L., Delgado, F. E. F., Rocha, G. M. (2010). Complicações que aumentam o tempo de permanência na unidade de terapia intensiva na cirurgia cardíaca. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, v.25, n.2. Recuperado em 10 de nov. de 2012 de URL: http://www.scielo.br/pdf/rbccv.pdf.

Marini, J. J., Wheeler, A. (1999). Terapia intensiva: o essencial. Trad. Marcos Ikeda. 2a ed. São Paulo: Manole.

Matsui, M. (2008). Identificação das variáveis associadas à mortalidade de pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva Adulto [dissertação]. Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual de São Paulo: São Paulo.

Ministério da Saúde. (2007). Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS, Série Progestores, livro 9. Recuperado em 10 de nov. de 2012 de URL:http://saude.gov.br/dab/docs/sus.pdf.

Ministério da Saúde. (2012). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) – Informações em Saúde. Recuperado em 12 de nov. de 2013 de URL: http://www.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe.def.

Ministério da Saúde. (2011). Doenças crônicas não Transmissíveis. Recuperado em 20 de nov. de 2012 de URL: http://www.saude.gov.br/portal/visualizar_texto.cfm.

Portaria no 1101/GM. (2002, 12 de junho). Parâmetros de cobertura assistencial no âmbito do Sistema Único de Saúde. DF: Ministério da Saúde. Obtido em 20 de nov. de 2012 do URL: http://www.saude.gov.br/sas/portarias.htm.

Portaria no 3.432. (1998, 12 de agosto). Classificação das Unidades de Terapia Intensiva. DF: Ministério da Saúde. Recuperado em 15 de jan. de 2013 de URL: http://www.saude.mg.gov.br/atos_normativos/legislacao-sanitaria/pdf.

Nogueira, L. S. (2008). Gravidade das vítimas de trauma admitidas em Unidades de Terapia Intensiva: estudo comparativo entre diferentes índices [tese]. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo: São Paulo.

Oliveira, A. B. F., Dias, O. M., Mello, M. M., Araújo, S., Dragosavac, D., Nucci, A. (2010). Fatores associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Revista Brasileira Terapia Intensiva, v.22, n.3. Recuperado em 25 de jun. de 2012 de URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext.

Oliveira, V. C. R. (2010). Estudo comparativo das condições clínicas de adultos, idosos e muito idosos internados em unidade de terapia intensiva [dissertação]. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo: São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i2.243

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br