Desempenho Econômico-Financeiro de Operadoras de Planos de Saúde Suplementar

Victor Vieira Silva, Eduardo Loebel

Resumo


A regulação federal do setor brasileiro de Saúde Suplementar vem estimulando a competitividade entre as empresas atuantes nesse setor, que buscam uma maximização dos seus resultados, além de atender às exigências do órgão regulador. Nesse contexto, o conhecimento do desempenho econômico-financeiro ganha grande importância, uma vez que auxilia e serve como avaliação das decisões organizacionais. Diante disso, o artigo tem como pergunta de pesquisa: Qual é o desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos privados de saúde e quais são suas diferenças ao longo dos anos de análise, considerando os índices Retorno sobre Ativo Total, Retorno Operacional sobre Ativo Total, Retorno sobre Patrimônio Líquido, Liquidez Corrente, Endividamento de Curto Prazo e Sinistralidade? O objetivo geral consiste em identificar o desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos privados de saúde, e comparar seus resultados entre os anos de 2008 e 2012. Para isso, realizou-se uma pesquisa quantitativa, descritiva e documental, construindo uma base com os dados contábeis das operadoras, para mensurar o desempenho por meio de sete índices econômico-financeiros, e, para a análise e interpretação dos dados, utilizou-se a estatística univariada e o Teste da Mediana. A comparação dos valores medianos dos índices ao longo dos anos evidenciou, como resultado, diferenças estatisticamente significativas nos desempenhos econômico-financeiros das operadoras, quando mensurados pelos índices Retorno sobre Ativo Total, Endividamento de Curto Prazo e Sinistralidade. Os resultados sugerem pesquisas que relacionem o desempenho com a estruturação do setor, e com formas de gestão das operadoras.


Palavras-chave


Gestão em Saúde; Desempenho Econômico-Financeiro; Análise de Indicadores de Desempenho.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2000). Resolução Normativa no 196. Dispõe sobre a definição, a segmentação e a classificação das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2014). Foco Saúde Suplementar. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Foco/FINAL_foco_setembro2014_web.pdf. Recuperado em 10 de novembro de 2014.

Baldassare, R. M. (2014). Análise do desempenho econômico-financeiro das operadoras de planos de saúde no mercado de saúde suplementar brasileiro. Dissertação de Mestrado Administração de Empresa, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Barney, J. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. (1991). Journal of Management, 17(1), 99-120.

Brigham, E. F., & Ehrhardt, M. C. (2016). Administração Financeira: teoria e prática. São Paulo: Cengage Learning.

Brito, R. P., & Ledur Brito, L. A. (2011). Medindo Vantagem Competitiva pelos seus Efeitos sobre o Desempenho Financeiro. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 36.

Burrel, G., & Morgan, G. (1982). Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann.

Campos, G. M. (2000). Estatística Prática para Docentes e Pós-Graduandos. Disponível em: http://143.107.206.201/restauradora/gmc/gmc_livro/gmc_livro_cap14.html. Recuperado em 19 de setembro de 2016.

Costa, L. G. T. A., Limeira, A. F. F., Gonçalves, H. M., & Carvalho, U. T. (2011). Análise econômico-financeira das empresas. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Eisenhardt, K. M., & Martin, J. A. (2000). Dynamic Capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21, 1105-1121.

Fernandes, F., Ferreira, M. E., & Rodrigues, E. R. (2014). Análise de Rentabilidade utilizando o Modelo Dupont: estudo de caso em uma operadora de planos de saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 3(2), 30-44.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas.

Macedo, F. F. R. R., Moura, G. D., Sant’ana, S. V., & Silva, T. P. (2015). Análise de desempenho do Sistema Único de Saúde (SUS) dos municípios das regiões brasileiras. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 4(1), 1-16.

Matarazzo, D. C. (2010). Análise Financeira de Balanços: abordagem básica e gerencial. São Paulo: Altas.

Matitz, Q. R. S., & Bulgacov, S. (2011). O conceito Desempenho em Estudos Organizacionais e Estratégia: um modelo de Análise Multidimensional. RAC, 15(4), 580-607.

Meireles, D. B., & Camargo, A. A. B. (2014). Capacidades Dinâmicas: o que são e como identificá-las? RAC, 18, 41-64.

Moretti, S. P., & Sanchez, O. P. (2011). Análise do desempenho das empresas do Grande ABC no período de 2001 a 2008: uma análise multinível. Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, São Paulo, SP, Brasil, 13.

Nascimento, S., Bortoluzzi, S. C., Dutra, A., & Ensslin, S. R. (2011). Mapeamento dos indicadores de desempenho organizacional em pesquisas da área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo no período de 2000 a 2008. R. Adm., 46(4), 373-391.

Porter, M. E. (1981). The Contributions of Industrial Organization to Strategic Management. The Academy of Management Review, 6(4) 609-620.

Porter, M. E. Towards a dynamic theory of strategy. (1991). Strategic Management Journal, 12, 95-117.

Salvatori, R. T., & Ventura, C. A. A. (2012). A agência nacional de saúde suplementar – ANS: onze anos de regulação dos planos de saúde. Organizações & Sociedade, 19, 471-487.

Silveira, D. T., & Córdova, F. P. (2009). A pesquisa científica. In Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. Métodos de Pesquisa (pp. 31-42). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Tavares, M. (2007). Estatística aplicada a Administração. EaD – UFSC.

Tchouaket, E. N., Lamarche, P. A., Goulet, L., & Contandriopoulos, A. P. (2012). Health care system performance of 27 OECD countries. The International Journal of Health Planning and Management, 27(2), 104-129.

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic Capabilities and Strategic Management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533.

Vasconcelos, F. C., & Cyrino, A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37.

Veloso, G., & Malik, A. (2010). Análise do desempenho econômico-financeiro de empresas de saúde. RAE Eletrônica, 9(1), 1-22.

Venkatraman, V., & Ramanujam, V. (1986). Measurement of business performance in strategy research: a comparison of approaches. Academy of Management Review, 11(4), 801-814.

Vieira, M. M. F., & Vilarinho, P. F. (2005). O campo da saúde suplementar no Brasil. Revista Ciências da Administração, 11(6), 09-34.

Wernerfelt, B. (1984). A Resourse-based View of the firm. Strategic Management Journal, 5, 171-180.

Wernerfelt, B. (1995). The Resource-based of the firm: Ten years after. Strategic Management Journal, 16(3), 171-174.

Zani, S. (2009). Testes Não-Paramétricos. Disponível em: http://epge.fgv.br/we/Graduacao/Estatistica1/2009/2?action=AttachFile&do=get&target=teste-dos-sinais-wilcoxon-e-mann-whitney.pdf. Recuperado em 19 de setembro de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i2.260

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br