Análise da Eficiência na Atenção Primária à Saúde sob a Ótica dos Profissionais da Área

Kerla Fabiana Dias Cabral, Rodrigo Siqueira Batista, Marco Aurélio Marques Ferreira, Fábio Ribeiro Cerqueira

Resumo


Este trabalho teve como objetivo analisar a eficiência da Atenção Primária à Saúde, avaliando as experiências de municípios brasileiros do estado de Minas Gerais no que se refere à sua eficiência na promoção da saúde. Os municípios foram selecionados entre os dez benchmark e anti-benchmark obtidos por meio de um primeiro do cálculo da eficiência através da Análise Envoltória de Dados. A entrevista em profundidade foi a técnica utilizada para captar a percepção dos profissionais dos municípios analisados. Em cada município, foram entrevistados 3 profissionais da Atenção Primária à Saúde. As respostas foram analisadas pela abordagem de análise de conteúdo e divididas em categorias, definidas a partir da literatura na área da administração pública e de gestão da saúde. Entre os principais resultados, observou-se que as dificuldades apontadas em comum nos municípios analisados se referem à falta de recursos ou sua limitação, bem como às condições educacionais da população e sua baixa participação e conhecimento sobre a Estratégia Saúde da Família. Conclui-se que há grande necessidade de trabalhos intersetoriais que apoiem ações de promoção da saúde já existentes, bem como novas estratégias que podem elevar o nível de conhecimento da população, dos profissionais e também dos gestores como forma de se melhorar o desempenho da promoção da saúde dos municípios.

Palavras-chave


Eficiência Técnica; Atenção Primária à Saúde; Profissionais de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, A. B., & Bosi, M. L. M. (2009). Visita domiciliar no âmbito da Estratégia Saúde da Família: percepções de usuários no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad. Saúde Pública, 25(5), 1103-12.

Alfradique, M. E., Bonolo, P. D. F., Dourado, I., Costa, M. F. L., Macinko, J., Mendonça, C. S., & Turci, M. A. (2009). Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP – Brasil).

Araújo, M. R. N., & Assunção, R. S. (2004). A atuação do agente comunitário de saúde na promoção da saúde e na prevenção de doenças. Rev. Bras. Enferm., 57(1), 19-25.

Barroso, R. F. F. (2007). A Universidade e as políticas públicas de saúde. Texto & Contexto Enfermagem, 16(3), 371-372.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica.

Bennett, S., Paina, L., Ssengooba, F., Waswa, D., & M’Imunya, J. M. (2013). The impact of Fogarty International Center research training programs on public health policy and program development in Kenya and Uganda. BMC Public Health, 13(1), 1.

Celino, S. D. D. M., Costa, G. M. C., França, I. S. X. D., & Araújo, E. C. D. (2013). Programa Pesquisa para o SUS: a contribuição para gestão e serviços de saúde na Paraíba, Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva, 18(1), 203-212.

CONASEMS. Ministério da Saúde. (2009). Reflexões aos novos gestores municipais de saúde. Brasília: CONASEMS, Recuperado em 5 de maio 2014: de http://www.conasems.org.br/files/reflexoes_novos_gestores.pdf

Cotta, R. M. M. (2013). Políticas de saúde: desenhos, modelos e paradigmas. Editora UFV.

Cunha, C. G. S. D. (2006). Avaliação de Políticas Públicas e Programas Governamentais: tendências recentes e experiências no Brasil. Secretaria de Coordenação e Planejamento/RS.

Dawson, B. (1964). Informe Dawson sobre el futuro de los servicios médicos y afines, 1920: informe provisional presentado al Ministerio de Salud de la Gran Bretaña en 1920 por el Consejo Consultivo de Servicios Médicos y Afines. In OPS Publicación Científica (No. 93). Organización Panamericana de la Salud.

Fadel, C. B., Schneider, L., Moimaz, S. A. S., & Saliba, N. A. (2009). Administração pública: o pacto pela saúde como uma nova estratégia de racionalização das ações e serviços em saúde no Brasil. Rev. Adm. Pública, 43(2), 445-56.

Ferreira, M. A. M. (2005). Eficiência técnica e de escala de cooperativas e sociedades de capital na indústria de laticínios do Brasil. Viçosa, MG: UFV.

Flanigan, J. (2014). The perils of public health regulation. Society, 51(3), 229-236.

Frey, K. (2009). Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, (21).

Giacomozzi, C. M., & Lacerda, M. R. (2006). A prática da assistência domiciliar dos profissionais da estratégia de saúde da família. Texto Contexto Enferm., 15(4), 645-53.

Gomes. O., K., Cotta, R. M. M., Araújo, R. M. A., Cherchiglia, M. L., & Martins, T. D. C. P. (2011). Atenção Primária à Saúde – a “menina dos olhos” do SUS: sobre as representações sociais dos protagonistas do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 16(1), 881-892.

Guimarães, F. T., Vitorino, R. R., Cezar, P. H. N., de Castro, J. F., Cotta, R. M. M., Costa, J. R. B., & Siqueira-Batista, R. (2013). Educação, saúde e ambiente: as concepções dos agentes comunitários de saúde. Ensino, Saúde e Ambiente, 6(1).

Hortale, V. A., Pedroza, M., & Rosa, M. L. G. (2000). Operacionalizando as categorias acesso e descentralização na análise de sistemas de saúde Operationalizing the categories accessand decentralization in health systems analysis. Cad. Saúde Pública, 16(1), 231-239.

Ibañez, N., Rocha, J. S. Y., Castro, P. D., Ribeiro, M. C. S. A., Forster, A. C., Novaes, M. H., & Viana, A. L. D. A. (2006). Avaliação do desempenho da atenção básica no Estado de São Paulo. Ciênc. Saúde Coletiva, 11(3), 683-703.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A Construção do Saber. Tradução: Heloísa Monteiro e Francisco Settineri.

Lehmann, U., & Sanders, D. (2007). Community health workers: what do we know about them. The state of the evidence on programmes, activities, costs and impact on health outcomes of using community health workers. Geneva: World Health Organization, 1-42.

Lopes, L. S., & Toyoshima, S. H. (2008). Eficiência técnica municipal na gestão dos gastos com saúde e educação em Minas Gerais: seus impactos e determinantes. Seminário sobre a Economia Mineira, 13, 1-24.

Machado, M. F. A. S., Monteiro, E. M. L. M., Queiroz, D. T., Vieira, N. F. C., & Barroso, M. G. T. (2007). Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc. Saúde Coletiva, 12(2), 335-42.

Martines, W. R. V., & Chaves, E. C. (2007). Vulnerabilidade e sofrimento no trabalho do agente comunitário de saúde no Programa de Saúde da Família. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 41(3), 426-433.

Meza, L. A., Biondi Neto, L., Soares de Mello, J. C. C. B., Gomes, E. G., & Coelho, P. H. (2003). SIAD – Sistema Integrado de Apoio à Decisão: uma implementação computacional de modelos de análise de envoltória de dados. Simpósio de Pesquisa Operacional da Marinha, 6, 2003.

Muniz, J. N., Palha, P. F., Monroe, A. A., Gonzales, R. C., Ruffino Netto, A., & Villa, T. C. S. (2005). A incorporação da busca ativa de sintomáticos respiratórios para o controle da tuberculose na prática do agente comunitário de saúde. Ciênc. Saúde Coletiva, 10(2), 315-321.

Nascimento, D. D. G. D., & Oliveira, M. A. D. C. (2010). Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde, 34(1), 92-96.

Rosa, W. D. A. G., & Labate, R. C. (2005). Programa Saúde da Família: a construção de um novo modelo de assistência. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13(6), 1027-1034.

Oliveira, V. M. D., Martins, M. D. F., & Vasconcelos, A. C. (2012). Entrevistas “Em Profundidade” na pesquisa qualitativa em administração: Pistas teóricas e metodológicas. Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais – SIMPOI, 15, 1-12.

Paim, J. S., & Teixeira, C. F. (2006). Política, planejamento e gestão em saúde: balanço do estado da arte. Rev. Saúde Pública, 40 (Esp).

Paim, J., Travassos, C., Almeida, C., Bahia, L., & Macinko, J. (2012). Saúde no Brasil 1 O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. The Lancet, 6736(11), 60054-8.

Peixoto, S. D. G. et al. (2012). Decentralization and corruption: evidence from primary healthcare programs. Applied Economics Letters (Print), 19.

Pereira, M. J. B., Fortuna, C. M., Mishima, S. M., Almeida, M. C. P. D., & Matumoto, S. (2009). A enfermagem no Brasil no contexto da força de trabalho em saúde: perfil e legislação. Rev. Bras. Enferm., 62(5), 771-777.

Dal Poz, M. R. (2002). O agente comunitário de saúde: algumas reflexões. Interface: Comunic., Saúde, Educ., 6(10), 75-94.

Sant’Anna, C. F., Cezar-Vaz, M. R., Cardoso, L. S., Erdmann, A. L., & Soares, J. F. D. S. (2010). Determinantes sociais de saúde: características da comunidade e trabalho das enfermeiras na saúde da família. Rev. Gaúcha Enferm., 31(1), 92-9.

de Souza, E. C. F., de Vilar, R. L. A., Rocha, N. D. S. P. D., da Costa Uchoa, A., & de Medeiros Rocha, P. (2008). Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais. Cad. Saúde Pública, 24(Sup1), S100-S110.

Spedo, S. M., Tanaka, O. Y., & Pinto, N. R. D. S. (2009). O desafio da descentralização do Sistema Único de Saúde em município de grande porte: o caso de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 25(8), 1781-1790.

Starfield, B. (2002). Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Unesco; Ministério da Saúde.

Uchimura, K. Y., & Bosi, M. L. M. (2002). Qualidade e subjetividade na avaliação de programas e serviços em saúde. Quality and subjectivity in the evaluation of health services and programs. Cad. Saúde Pública, 18(6), 1561-1569.

Zanchetta, M. S., Vander Voet, S. M., Galhego-Garcia, W., Smolentzov, V. M. N., Talbot, Y., Riutort, M., ... & Kamikihara, M. M. (2009). Effectiveness of community health agents' actions in situations of social vulnerability. Health Education Research, 24(2), 330-342.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i2.263

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br