Acidentes do Trabalho Relacionados a Transtornos Psicológicos Ocupacionais

Quésia Postigo Kamimura, Renata Silva Cardoso Rocha Tavares

Resumo


Devido às transformações no mundo do trabalho do século XXI, a carga psicológica exigida dos profissionais não condiz com a exigida para uma vida saudável. Os registros de acidentes/doenças de trabalho vêm aumentando no decorrer dos anos, impactando nos índices de doenças referentes aos transtornos psicológicos. Tem-se como objetivo apresentar um levantamento do número de acidentes de trabalho referentes a transtornos psicológicos, de 2005 a 2008. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre os temas acidente de trabalho e transtornos psicológicos e uma pesquisa documental dos registros de acidentes de trabalho, período de 2005 a 2008, relacionados às patologias: episódios depressivos (F32), transtorno depressivo recorrente (F33), reações ao stress grave e transtorno de adaptação (F43), transtorno não orgânico do sono devido a fator emocional (F51), distúrbios do sono (G47) e sintomas e sinais relativos ao estado emocional (R45). Conclui-se que houve aumento de acidentes/doenças do trabalho referente aos Episódios Depressivos (F32), seguido pelo Transtorno Depressivo Recorrente (F33), o que influencia diretamente no desempenho do trabalho. Há negligencia em relação aos AT/DT, revelando em alguns CID’s números insignificantes de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), principalmente quando o nexo epidemiológico causal é frágil. Os acidentes de trabalho necessitam de mais atenção, incluindo ações efetivas para a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais.

DOI: 10.5585/rgss.v1i2.27


Palavras-chave


Saúde do Trabalhador; Gestão Estratégica em Saúde; Acidente de Trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Baba, V., Galaperin, B. L., & Lituchy, T. R. (1999). Occupational mental health: a study of work-related depression among nurses in the Caribbean. International Journal of Nursing Studies, 36(2), 163-169.

Binder, M. P., & Cordeiro, R. (2003). Sub-registro de acidentes do trabalho em localidade do Estado de São Paulo, 1997. Rev Saúde Pública, 37(4), 409-416.

Braga, C. D., Pereira, L. Z., & Marques, A. L. (2008, setembro). O consumo de energia de quem faz energia: estudando o estresse ocupacional e seus efeitos nos gerentes de uma empresa brasileira do setor de energia elétrica. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Brito, V. G. P. (1995). Comprometimento e Stress no Trabalho: um estudo do vínculo professor-universidade. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Cooper, C., & Dewe, P. (2008). Well-being-absenteeism, presenteeism, costs and challenges. Occupational Medicine, 58(8), 522–524.

Couto, H. A. (1987). Stress e qualidade de vida dos executivos. Rio de Janeiro: COP.

Dias, A. R. N., Saporito, W. F., Souza, S. A. B., Vitório, P. K., Wilcken, M. F. T., & Nascimento, V. B. (1990). Acidente do Trabalho: Análise de algumas variáveis epidemiológicas. Arq Med ABC, 13(1/2), 10-14.

Glina, D. M. R., Rocha, L. E., Batista, M. L., & Mendonça,
M. G. V. (2001). Saúde mental e trabalho: uma reflexão sobre o nexo com o trabalho e o diagnóstico, com base na prática. Cadernos de Saúde Pública, 17(3), 607-616.

Inocente, N. J. (2005). Síndrome de Burnout em professores universitários do Vale do Paraíba, (SP). Tese de doutorado, Universidade de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

International Stress Management Association (ISMA-BR). (2008). Presenteísmo. Recuperado em 18 janeiro, 2012, de http://www.ismabrasil.com.br/artigos

Kamimura, Q. P. Gestão de saúde e segurança no trabalho. (2011). Taubaté: Universidade de Taubaté.

Marques, A. L., & Moraes, L. F. R. (2004, setembro). Desenvolvimento Gerencial através de Cursos de Longa Duração: um estudo sobre a percepção de eficácia dos cursos de MBA e suas relações com a qualidade de vida e estresse no trabalho. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Ministério da Previdência Social. (1991). Lei 8.213 de 24 de julho de 1991: dispõe sobre os planos de benefícios da previdência social e dá outras providências. Brasília: Ministério da Previdência Social.

Ministério da Previdência Social. (2010). Base de Dados Históricos do Anuário Estatístico da Previdência Social. Recuperado em 5 agosto, 2010, de htpp://www3.dataprev.gov.br/infologo

Ministério da Saúde do Brasil. (2001). Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde do Brasil.

Organização Mundial da Saúde. (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Organização Mundial da Saúde. (1997). Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde: CID-10. São Paulo: EDUSP.

Organização Mundial da Saúde. (2007/2008). Classificação estatística internacional de doenças: CID-10. São Paulo: EDUSP.

Previdência Social – Instituto de Seguridade Social. (1999). Manual de instruções para preenchimento da Comunicação de Acidente de Trabalho – CAT. Brasília: Previdência Social.

Prochaska, J. O., Evers, K. E., Johnson, J. L., Castle, P. H., Prochaska, J. M., Rula, E. Y., & Pope, J. E. (2011). Journal of Occupational and Environmental Medicine, 53(7), 735-742.

Rangel, F. B. (2009, setembro). Sintomas psicossomáticos e a organização do trabalho: um estudo em uma IES. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Sato, L., & Bernardo, M. H. (2005). Saúde mental e trabalho: os problemas que persistem. Ciência & Saúde Coletiva, 10(4), 869-878.

Silva, G. G. J., Souza, M. L. P., Goulart Júnior, E., Canêo, L. C., & Lunardelli, M. C. F. (2009). Revista Brasileira de Saúde Operacional, 34(119), 79-87.

Stewart, W. F., Ricci, J. A., Chee, E., Hahn, S. R., & Morganstein, D. (2003). Cost of lost productive work time among US workers with depression. The Journal of the American Medical Association, 289(23), 3135-3144.

Teixeira, S. (2007). A depressão no meio ambiente de trabalho e sua caracterização como doença no trabalho. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., 46(76), 27-44.

Vergara, S. G. (2000). Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Yaho, S. R. T., Costa e Silva, M. M., Teles, M. P., Cruz, S. M. S., & Reimann, O. M. C. (2008, agosto). Sistema Integrado de Informação em Saúde do Trabalho (SI-ST): uma ferramenta para tomada de decisão. Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Niterói, RJ, Brasil, 4.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v1i2.27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 Rev. Gest. Sist. Saúde, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-3712

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.