Inovação da Gestão dos Hospitais Públicos no Sistema de Saúde Português

Andreia Afonso Matos, Alexandre Morais Nunes

Resumo


O papel e a importância da inovação, em todos os processos, é reconhecido internacionalmente como um dos principais motores do desenvolvimento e da sustentabilidade, em várias áreas de atividade. Em Portugal, a inovação no setor da saúde foi aplicada à gestão hospitalar, que adoptou numa primeira fase práticas de gestão empresarial e posteriormente um modelo de concessão em regime de parceria público-privada. Neste artigo, usando o método da revisão da literatura e da análise dos dados, pretende-se avaliar se a inovação na gestão com a criação dos hospitais-empresa e parcerias público-privadas gerou melhores resultados de produção e se existe um diferencial entre os resultados de acesso e qualidade entre os novos modelos. Como resultado da análise, pode referir-se que a inovação influenciou positivamente ambas as organizações, que apresentam uma maior produção. No entanto, verificou-se que os hospitais-empresa têm melhores indicadores de acesso e os hospitais em parceria público-privada melhores resultados de qualidade.


Palavras-chave


Hospitais, Inovação, Produção, Acesso, Qualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Afgan, N., & Carvalho, M. (2010). The knowledge society: a sustainability paradigm. CADMUS, 1(1), pp. 28-41.

Alpkan, L., Gunday, G., Kilic, K., & Ulusoy, G. (2011). Effects of innovation types on firm performance. International Journal of Production Economics, 133(2), 662-676.

Andrade, J., Nogueira, F., & Poeta, A. (2000). Entre a inovação e o planeamento. Novos modelos de gestão das compras hospitalares. Gestão e Desenvolvimento, 9, 173-194.

Aravind, D., & Damanpour, F., (2012). Managerial innovation: Conceptions, processes, and antecedents. Management and Organization Review, 8(2), 423-454.

Barros, P. (2011). Sustentabilidade em saúde. In Fernandes, A. (2011). Inovação e sustentabilidade em saúde: equação impossível? (pp. 97 -113). Loures: Diário de Bordo.

Barros, P. (2013). Economia da saúde – conceitos e comportamentos (3a edição). Coimbra: Almedina.

Baumol, W. (2014). Stimulating growth amid recession: Entrepreneurship, innovation, and the Keynesian revolution William. Journal of Policy Modeling, 36, 629-635.

Bausch, A. Brinckmann, J., & Rosenbusch, N. (2011). Is innovation always beneficial? A meta-analysis of the relationship between innovation and performance in SMEs. Journal of Business Venturing, 26(4), 441-457.

Bilhim, J., Guimarães, T., & Junior, P. (2013). Escala de orientação para inovação em organizações públicas: estudo exploratório e confirmatório no Brasil e em Portugal. Revista de Administração e Inovação, 10, 257-277.

Calantone, N., Droge, R., & Harmancioglu, N. (2010). Inconclusive Innovation “Returns”: A meta-analysis of research on innovation in new product development. Journal of Product Innovation Management, 27(7), 1065-1081.

Campos, A. (2008). Reformas da saúde – o fio condutor. Coimbra: Edições Almedina.

Campos, A., & Simões, J. (2011). O percurso da saúde: Portugal na Europa. Coimbra: Almedina.

Cassiman, B., Golovko, E., & Martínez-Ros, E. (2010). Innovation, exports and productivity. International Journal of Industrial Organization, 28, 372-376.

Chen, Z., & Guan, J. (2010). The impact of small world on innovation: An empirical study of 16 countries. Journal of Informetrics, 4(1), 97-106.

Damanpour, F. (2010). An integration of research findings of effects of firm size and market competition on product and process innovations. British Journal of Management, 21(4), 996-1010.

Damanpour, F., Devece, C., & Walker, R. (2010). Management innovation and organizational performance: The mediating effect of performance management. Journal of Public Administration Research and Theory, 21, 367-386.

Damanpour, F., Méndez, F., & Wischnevsky, J. (2011). Influence of environmental factors and prior changes on the organizational adoption of changes in products and in technological and administrative process. British Journal of Management, 22, 132-149.

Denis, J., Fleiszer, A., Ritchie, A., Richer, & Semenic, S. (2015). The sustainability of healthcare innovations: a concept analysis. Journal of Advanced Nursing, 71(7), 1484-1498.

Djellal, F., Gallouj, F., & Miles, I. (2013). Two decades of research on innovation in services: Which place for public services? Structural Change and Economic Dynamics, 27, 98-117.

Dorgan, S., Layton, D., Bloom, N., Homkes, R., Sadun, R., Reenen, J. (2010). Management in healthcare: why good practise really matters. Londres: Mckinsey & Company.

Gulbenkian, Fundação Calouste (2014). Um futuro para a saúde, todos temos um papel a desempenhar. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Ganter, A. & Hecker, A. (2013). Deciphering antecedents of organizational innovation. Journal of Business Research, 66, 575-584.

Ganter, A. & Hecker, A. (2014). Configurational paths to organizational innovation: qualitative comparative analyses of antecedents and contingencies. Journal of Business Research, 67, 1285-1292.

Harfouche, A. (2008). Hospitais transformados em empresas. Análise do impacto na eficiência: Um estudo comparativo. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

Harfouche, A. (2012). Opções políticas em saúde. Efeitos sobre a eficiência hospitalar. Coimbra: Edições Almedina.

Hidalgo, A., & D’Alvano, L. (2014). Service innovation: Inward and outward related activities and cooperation mode. Journal of Business Research, 67(5), 698-703.

Hood, C. (1991). A public management for all seasons? Public Administration, 69(1), 3-19.

Howells, J. (2010). Services and innovation and service innovation: New theoretical directions. In F. Gallouj & F. Djelall (Eds.), Handbook of innovation and services: A multi-disciplinary perspective (pp. 68-83). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Jansen, J., Vaccaro, I., Van Den Bosch, F., & Volberda, H. (2012). Management innovation and leadership: The moderating role of organizational size. Journal of Management Studies, 49(1), 28-51.

Ministério da Saúde (2015), Políticas de Saúde 2011-2015-. Lisboa: Secretaria-Geral do Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (2016). Portal do Serviço Nacional de Saúde. Disponível em https://www.sns.gov.pt/. Acedido a 10 de setembro de 2016.

Moreno, C. (2010). Como o Estado gasta o nosso dinheiro. Alfragide: Edições Caderno.

Nunes, A. (2013). A gestão empresarial hospitalar na perspetiva dos gestores. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade de Lisboa.

Nunes, A. (2016). Reformas na gestão hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Tese de doutoramento apresentada à Universidade de Lisboa.

Nunes, A. & Harfocuhe, A. (2015). A Reforma da Administração Pública aplicada ao setor da saúde: a experiência portuguesa. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS), 4(2), 1-8.

OECD (2005). Oslo Manual: Proposed guidelines for collecting and interpreting technological innovation data. Paris: OCDE Publishing.

Osborne, S. P., & Brown, K. (2005). Managing change and innovation in public service organizations. New York: Routledge.

Porter, M. (1990). The Competitive Advantage of Nations. New York: The Free Press.

Rego, G. (2011). Gestão empresarial dos serviços públicos. Uma aplicação ao sector da saúde. Porto: Vida Económica.

Ruckert, A., & Labonté, R. (2014). Public-private partnerships (PPPs) in global health: the good, the bad and the ugly. Third World Quarterly, 35(9), 1598-1614.

Schumpeter, J. A. (1934). The Theory of Economic Development. Cambridge: Harvard University Press.

Simões, J. (2004a). Retrato político da saúde – dependência do percurso e inovação em saúde: da ideologia ao desempenho. Coimbra: Almedina.

Simões, J. (2004b). As parcerias público-privadas no sector da saúde em Portugal. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 4, 79-90.

Simões, J. (2010). A iniciativa PPP na saúde: aspectos de política, finanças e gestão. In Cabral, N., Amador, O., & Martins, G. (2010). A reforma do sector da saúde (pp. 205-232). Coimbra: Almedina.

WHO-Europe. (2013). Health 2020 – A European policy framework and strategy for the 21st century (pp. 33-38). Denmark: World Health Organization.

Windrum, P. (2008). Innovation and entrepreneurship in public services. In P. Windrum & P. Koch (Eds.). Innovation in public sector services: Entrepreneurship, creativity and management (pp. 3-251). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v5i2.290

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br