A Recuperação Do Serviço Nacional De Saúde Português: Novas Perspectivas Para A Política De Saúde

Alexandre Morais Nunes

Resumo


Em Portugal impera a existência de um Estado Social e como tal, a proteção do direito à saúde encontra-se inscrita na Constituição da República como um dever do Estado perante todos os seus cidadãos. Na prossecução desta imposição constitucional, foi criado em 1979 o Serviço Nacional de Saúde (SNS) que garante uma prestação de cuidados universais (dirigidos a todos os cidadãos), gerais (em todos os níveis de prestação desde a atenção primária, cuidados hospitalares, de reabilitação e de paliação) e com tendencial gratuidade, pois são cobradas taxas moderadoras que correspondem a uma pequena contribuição no acesso criadas com o objetivo de racionalizar a utilização dos serviços, quando não necessários. O Serviço Nacional de Saúde atravessou recentemente (entre 2011 e 2015) um período de retrocesso marcado pela crise econômica que avassalou Portugal e gerou um desinvestimento na saúde. Este artigo relata a recente experiência do serviço de saúde público português com a chegada da intervenção externa do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia e através de um estudo de caso pretende-se verificar quais as medidas/ reformas já foram iniciadas pelo novo Governo para recuperar do Serviço Nacional de Saúde.

Palavras-chave


Serviço Nacional de Saúde; Política de Saúde; Crise Econômica; Desinvestimento; Recuperação

Texto completo:

PDF

Referências


ACSS - Administração Central do Sistema de Saúde (2017). Relatório do acesso aos cuidados de saúde. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde.

Campos, A., & Simões, J. (2011). O percurso da saúde: Portugal na Europa. Coimbra: Almedina.

Campos, A. (2008). Reformas da saúde : o fio condutor. Coimbra: Edições Almedina.

Carmo (2012). A Troika, o memorando e os serviços de saúde. In Carmo (Org). Serviço Nacional de Saúde em Portugal: as ameaças, a crise e os desafios (pp. 85-90). Coimbra: Almedina.

Correia, T., Carapinheiro, G., Silva, J., & Vieira, J. (2015) O Sistema de Saúde Português no Tempo da Troika: A Experiência dos Médicos. Lisboa: ISCTE-IUL/Ordem dos Médicos.

Fernandes, A.C. (2012). Hospitais: um novo modelo de gestão hospitalar. Revista XXI, Ter Opinião 2011-2012, 80-85.

Fernandes, A.C. (2015). A combinação público-privado em saúde: impacto no desempenho no sistema e nos resultados em saúde no contexto português. Lisboa: Universidade de Lisboa.

GTRH - Grupo Técnico para a Reforma Hospitalar (2011). Os cidadãos no centro do sistema - os profissionais no centro da mudança. Relatório final. Lisboa: Ministério da Saúde.

Halinen, A., & Tornroos, J. (2005). Using case methods in the study of contemporary business networks. Journal of Business Research, 58 (9), 1285-97.

Nunes, A. (2016). Reformas na Gestão Hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Lisboa: Universidade de Lisboa.

OCDE (2015). OECD Health Data: Health status. OECD Health Statistics (database) disponível em http://stats.oecd.org/Index.aspx?DataSetCode=HEALTH_STAT, acedido a 24 de julho de 2017.

OPSS - Observatório Português dos Sistemas de Saúde (2012). Crise & Saúde: um país em sofrimento. Relatório Primavera. Lisboa: OPSS.

OPSS - Observatório Português dos Sistemas de Saúde (2014). Saúde - Síndroma de negação. Relatório Primavera. Lisboa: OPSS.

OPSS - Observatório Português dos Sistemas de Saúde (2016). Procuram-se novos caminhos. Relatório Primavera. Lisboa: OPSS.

Portugal. Lei nº56/79, de 15 de setembro.

Portugal. Despacho n.º 10783-A/2011, de 31 de agosto.

Portugal (2011). Memorando de entendimento sobre as condicionalidades de política económica. Programa de assistência financeira UE/FMI/BCE. Request for a Three-Year Arrangement Under the Extended Fund Facility, IMF Country Report No. 11/127, June 2011. Council Implementing Decision on Granting Financial Assistance to Portugal, 17 May 2011.

Portugal (2015). Programa do XXI Governo Constitucional para a Saúde. Lisboa: Governo de Portugal.

Simões, J. (2004). Retrato político da saúde - dependência do percurso e inovação em saúde: da ideologia ao desempenho. Coimbra: Livraria Almedina.

Treaty on European Union (1992). Tratado de Masstricht. Bruxelas: European Union.

Yin, R. (1984). Case study research: design and methods. London: Sage.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v7i1.311

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br