Trajetórias de Carreira na Enfermagem: Uma Análise com Profissionais em Distintos Grupamentos Etário-Geracionais

Rodrigo Gomes Da Silva, Anderson de Souza Sant'Anna

Resumo


Este artigo tem como propósito central investigar trajetórias de carreira em duas categorias de profissionais de enfermagem - Auxiliar de Enfermagem e Técnico de Enfermagem - considerando diferentes grupamentos etário-geracionais a que se associam. Em termos metodológicos a pesquisa que subsidiou seus resultados pode ser caracterizada como de natureza qualitativa, conduzida por meio do método de estudo de casos múltiplos. A pesquisa compreendeu entrevistas em profundidade e semiestruturadas. Os relatos obtidos foram tratados com base nos procedimentos prescritos para a técnica de evocação de imagens. Como resultado, pode-se observar que as três gerações apontaram peculiaridades quanto ao perfil e valores profissionais requeridos. A entrevistada da geração Babyboomer apresenta-se mais “fiel” à profissão, ao trabalho em si e às instituições a que se vinculam, desenvolvendo nas mesmas carreiras longas. Já o profissional da Geração X demonstra, comparativamente aos Babyboomers, maior valorização à sua carreira individual vis-à-vis ao trabalho em si e ao “apego” organizacional. A entrevistada da Geração Y, por sua vez, demonstrou, comparativamente aos dois outros grupamentos, menor vinculação à carreira, instituição e ao trabalho em si, relevando-se mais intolerante, contraditória; movimentando-se com maior intensidade no mercado de trabalho. Em suma, o conjunto dos achados corroboram percepções empíricas, bem como dados de pesquisas científicas que apontam para diferenças quanto à compreensão da noção de carreira entre distintos grupamentos geracionais que atualmente convivem nos contextos organizacionais.

Palavras-chave


Enfermagem; Administração de Recursos Humanos; Gestão de Pessoas no Setor de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, S. (2004). Virando gente grande: como orientar jovens em início de carreira. 1. ed. São Paulo: Gente.

Barton, C. A. (1996). The Sorrows of Ancient Roman: The gladiator and the monster. Princeton University Press: Reprint edition.

Bell, J. A. (2013). Five Generations in the Nursing Workforce. Journal for Nurses in Professional Development, (29)4, 205-210.

Carmo, R. G. (2015) Ambiguidades inerentes à acumulação flexível. Caderno de Geografia, 25(43), 90-101.

Cavazotte, F.; Lemos, A. H. C.; Vianna, M. D. (2012). Novas gerações no mercado de trabalho: expectativas renovadas ou antigos ideais? Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 162-180.

Cennamo, L.; Gardner, D. (2008). Generational differences in work values, outcomes and person-organization values fit. Journal of Managerial Psychology, 23(8), 891-906.

Chanlat, J. F. (1995). Quais carreiras e para qual sociedade? Revista da Administração de Empresas, 35(6), 67-75.

Coetzee, M.; Schreuder, D.; Tladinyane, R. (2007). Organizational commitment and its relation to career anchors. Southern African Business Review, 11(1), 65-86.

Comazzetto, LR, Vasconcelos, SJL, Perrone, CM, Gonçalves, J. (2016). A geração Y no mercado de trabalho: um estudo comparativo entre gerações. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(1), 145-157.

Costa, L. F. L. G., Mendonça, C. M., Rodrigues JR, G., Araújo, M. V. P., Alloufa, J. M. L., & Silva, R. C. (2014). Conflitos organizacionais entre gerações: um estudo empírico com a equipe de desenvolvimento de software do IFRN. Revista Holos, 30(4), 361-374.

Custódio, L. S. Servidores do setor público de Minas Gerais: Valores pessoais e organizacionais, suas implicações sobre expectativas e trajetórias profissionais e correlações com a questão geracional. (2013). Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Danziger, N., Rachman-Moore, D., & Valency, R. (2008). The construct validity of Schein's career anchors orientation inventory. Career Development International, 13(1), 7-19.

Dutra, J. S. (2016). Gestão de pessoas: Modelo, processos, tendências e perspectivas. 2. Ed. São Paulo: Atlas.

Evans, P. (1996). Carreira, sucesso e qualidade de vida. Revista de Administração de Empresas, 26(3), 14-22.

Gomes, A. L. R. A. Imagens de carreira: Um estudo com graduandos em administração de distintos grupos geracionais. (2014). Dissertação de Mestrado - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Gardiner, S., Grace D. & King C. (2015). Is the Australian domestic holiday a thing of the past? Understanding baby boomer, generation X and generation Y perceptions and attitude to domestic and international holidays. Journal of Vacation Marketing. 21(04), 336–350.

Hall, D. T. Careers in and out of organizations. Thousand Oaks, CA: Sage, 2002.

Hall, D. T.; Mirvis, P. H. Careers as lifelong learning. In: Hall, D. T.; Mirvis, P. H. (Eds.). The changing nature of word. San Francisco, CA: Jossey Bass.

Hansen J. C. & Leuty M. E. (2012). Work values across generations. Journal of Career Assessment, 20(1), 34-52.

Hassan G, Arbabisarjou A, Yarmohammadzadeh P, Soltanzadeh V, Iman S, Sokooti N. (2012) Relationship between Career Anchors and Organizational Commitment among Faculty Members. Journal of Studies in Education, 2(1), 58-71.

Herrmann, A., Hirschi, A. & Baruch, Y. (2015). The protean career orientation as predictor of career outcomes: Evaluation of incremental validity and mediation effects. Journal of Vocational Behavior, 88, 205–214. Elsevier.

Kilimnik, Z. M.; Sant’Anna, A. S.; Castilho, I. V. (2008). Carreiras em transformação e seus paradoxais reflexos nos indivíduos: Pesquisa de metáforas e âncoras de carreiras, associada à representação de competências profissionais. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, 2(3), 257-280.

Knob, M. A. S., Goergen, C. (2016). Percepção de carreira para a geração Y: Um desafio para as organizações. Revista de Carreiras e Pessoas, 6(3), 332-345.

Kraft, S.; Nique, W. M. Desenvolvendo o consumidor através das metáforas: uma aplicação da Zaltman Metaphor Elicitation Technique (ZMET). Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, 26, Salvador, Bahia, 2002.

Lancaster, L. C., Stillman, D. O Y da questão: como a geração Y está transformando o mercado de trabalho. São Paulo: Saraiva, 2011.

Latkovikj, M. T., & Popovska, M. B. (2015). Work values and preferences of the new workforce: HRM implications for Macedonian Millennial Generation. Journal of Advanced Management Science, 4(4), 312-319

Leong F.T.L.; Rosenberg, S.D.; Chong S. (2014). A Psychometric Evaluation of Schein’s (1985) Career Orientations Inventory. Journal of Career Assessment, 22(3), 524-538.

Lipscomb, V. (2010). Intergenerational issues in nursing: Learning from each generation. Clinical Journal of Oncology Nursing, 14(3), 267-269.

Matushima, M.K. (2015) A Crise do Fordismo e a Reestruturação da Indústria Brasileira nos anos 1990: Uma análise a partir da teoria da regulação. Revista de Geografia (UFPE), 32(2), 294-309.

Messarra L. C., Karkoulian S., & El-Kassar A. N. (2016). Conflict resolution styles and personality: The moderating effect of generation X and Y in a non-western context. International Journal of Productivity and Performance Management. 65(6), 792–810.

Messias, M., Gonçalves, G. C. C., Lecca, C. G. G., Ciampone, M. H. T., & Mira, V. L. (2017). Identificação das âncoras de carreira de enfermeiros. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 7(0), 1097-1104.

Napoli, A. (2014). Social media use and generational identity: Issues and consequences on peer-to-peer and cross-generational relationships - An empirical study. Participations: Journal of Audience & Reception Studies, 11(2), 182-206

Niemiec, S. (2000). Finding common ground for all ages. Security Distributing and Marketing, 30(1).

O'Bannon, G. (2001). Managing our future: The generation X factor. Public Personnel Management, 30(1), 95–109.

Oliveira, L. C. V., Kilimnik, Z. M, & Oliveira R. P. (2013) Da gerência para a docência: metáforas do discurso de transição. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre. Online), 19(2), 301-329.

Oliveira, S. Geração Y: era das conexões, tempo de relacionamentos. São Paulo: Clube dos autores, 2009.

Peçanha, L. C. N., Constantino, M. A. C, Limongi-França, A. C., Silva, J. L. (2011). Âncoras de carreira e relação com a estabilidade e qualidade de vida pessoal: Um estudo com alunos do curso de gestão de pessoas. ReCaPe – Revista de Carreiras e Pessoas. 1(2), 29-42.

Popovska, M. B., Latkovic, M. T., Jakimovski, J., & Popovski, V. (2015). Work values of the Macedonian workforce. Journal of Advanced Management Science, 3(2), 158-161.

Ramakrishna, H. V., & Potosky, D. (2003). Conceptualization and exploration of composite career anchors: An analysis of information systems personnel. Human Resource Development Quarterly, 14(2), 199-214.

Rodrigues, R., Guest, D., & Budjanovcanin, A. (2013). From anchors to orientations: Towards a contemporary theory of career preferences. Journal of Vocational Behavior, 83(2), 142-152.

Santos, A. L. A geração Y nas organizações complexas: um estudo exploratório sobre a gestão dos jovens na empresa. 2011. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Stanley, D. (2010). Multigenerational workforce issues and their implications for leadership in nursing. Journal of Nursing Management, 18(7), 846-852.

Seipert, K., & Baghurst, T. (2014). Contrasting work values of baby boomers and generation X rural public school principals. Public Administration Quarterly, 38(3), 347-370.

Sullivan, M., Forret, S. M., & Carraher, L. A. M. (2009). Using the kaleidoscope career model to examine generational differences in work attitudes. Career Development International, 14(3), 284-302.

Vermeulen, L. (2015). Career anchors and work behavioral style for career management in the south african public service. European Scientific Journal, 11(14): 482-506.

Worley, K. (2011). Educating college students of the net generation. Adult Learning, 22(3), 31-39.

Yin, R. K. Case study research: Design and methods. Sage Publications Inc., USA, 1989




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v6i2.319

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br