Agendamento Eletrônico Ambulatorial: Análise de Melhorias Após a Implantação

Danielle Cristina Campos de Souza, Mário Ivo Serinolli

Resumo


Com o objetivo de analisar os resultados da implantação de sistemas e ferramentas eletrônicas, utilizados para executar a regulação do acesso de alta complexidade, ou seja, agendamentos de consultas e exames ambulatoriais especializados, esta pesquisa parte de uma análise exploratória descritiva, buscando promover maior conhecimento em relação à história da Regulação do Acesso à Assistência (também denominada regulação do acesso ou regulação assistencial), e à implantação de um sistema informatizado para atuar nessa prática. A abordagem utilizada foi quantitativa, visto que possui a intenção de descrever e interpretar os fenômenos, além de analisar as informações coletadas. O objetivo principal desta pesquisa consistiu em analisar os indicadores de absenteísmo e produtividade ambulatorial antes e após a implantação do agendamento eletrônico. Em agosto de 2010, surgiu a Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde – CROSS, implantada no Hospital aqui avaliado, permitindo um fluxo mais prático e organizado para promover o acesso aos usuários do SUS. Dessa forma, neste trabalho foi avaliado o impacto dos agendamentos realizados por meio do sistema CROSS, permitindo o acesso ambulatorial e avaliando os indicadores que efetivamente representavam o impacto de sua implantação. Os resultados obtidos apontam para mudanças positivas e melhorias na qualidade e produtividade, visto que se passou a seguir protocolos mais adequados na prática da regulação assistencial.

Palavras-chave


Gestão em Saúde; Serviços de Saúde; Regulação; Fiscalização em Saúde; Políticas Públicas de Saúde; Agendamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ABC do SUS - Doutrinas e Princípios. Brasília: Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. (1990). Brasília: Ministério da Saúde.

Albieri, F., & Cecilio, L. (2015). De frente com os médicos: uma estratégia comunicativa de gestão para qualificar a regulação do acesso ambulatorial. Saúde Debate, 184-195.

Albuquerque, M. d., Praciano, L. P., Costa, A. M., & Melo Filho, D. A. (2013). Regulação Assistencial no Recife: possibilidades e limites na promoção do acesso1. Saúde Soc, 223-236.

Almeida, P., Giovanella, L., Mendonça, M., & Escorel, S. (2010). Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos. Cad. Saúde Pública, 286-298.

Arakawa, A., Lopes-Herrera, S., Caldana, M., & Tomita, N. (2012). Percepção dos usuários do SUS: expectativa e satisfação do atendimento na Estratégia de Saúde da Família. CEFAC.

Arruda, C., & Bosi, M. (2016). Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: um estudo qualitativo no Nordeste do Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação.

Azevedo, S. (2016). O programa de Tratamento Fora de Domicílio no Sistema Único de Saúde no Piauí. HOLOS, 402-413.

Baduy, R. S., Feuerwerker, L. C., Zucoli, M., & Borian, J. T. (2011). A Regulação assitencial e a produção do cuidado: um arranjo potente para qualificar a atenção. Caderno de Saúde Pública, 295-304.

Barbosa, D., Barbosa, N., & Najberg, E. (2016). Regulação em Saúde: desafios à governança do SUS. Cadernos Saúde Coletiva, 49-54.

Bopsin, M., Bassani, L., Riella, C., & Antunes, M. (2015). ALIMENTAÇÃO HOSPITALAR: AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PACIENTES DE UM HOSPITAL DE PORTO ALEGRE – RS. Caderno Pedagógico, 137-147.

Carvalho, M. d., Santos, N. R., & Campos, G. W. (2013). A construção do SUS e o planejamento da força de trabalhoem saúde no Brasil: breve trajetória. Saúde em Debate, 372-387.

CEBES. (outubro de 2014). Redes de Atenção a Saúde. Construindo o cuidado integral. Rio de Janeiro, Brasil: Revista Divulgação em Saúde para Debate.

Cintra, R., Gonçalves, L., Dias, B., Vieira, S., Pacagnan, M., & Dalmas, J. (18-20 de Bovembro de 2012). A Satisfação dos Usuários sobre os Serviços do Sistema de Saúde Pública Brasileiro: um Estudo no Hospital Universitário Federal.

CONASS. (2007). Assitência de Média e Alta Complexidade no SUS. Em Coleção Progestores – Para entender a gestão do SUS. vol 9. Brasília.

CONASS. (2011). Regulação em Saúde - Coleção para entender a Gestão do SUS. Brasília.

CROSS. (2015). Revista CROSS. Central de regulação de Ofertas e Serviços de Saúde. São Paulo, Brasil.

Dancey, C., & Reidy, J. (2013). Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Penso.

Diretrizes Operacionais. (09 de fevereiro de 2006). Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília, Brasil.

Ferreira, M., Lopes, A., Lion, M., Lima, D., Nogueira, D., & Pereira, A. (2016). Absenteísmo em consultas odontológicas programáticas na Estratégia Saúde da Família. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 411-419.

Ferreira, V. (2015). Satisfação dos profissionais de saúde em meio hospitalar público, privado e parceria público-privada. Lisboa.

Gamarra, T., & Porto, M. (2015). Regulação em Saúde e Epstemologia Política: Contribuições da Ciência Pós-Normal para enfrentar as incertezas. Organizações & Sociedade, 405-422.

Giannotti, E. M. (2013). A organização de processos regulatórios na gestão municipal de saúde e suas implicações no acesso aos serviços: um estudo de caso do município de Guarulhos. São Paulo.

Iochida, L., & Castro, A. (2001). Planejamento da Pesquisa. Projeto de Pesquisa (Parte VIII - Método Estatístico/Análise Estatística). São Paulo.

Klein, F., & Mascarenhas, A. (2016). Motivação no Serviço Público: efeitos sobre a retenção e satisfação profissional dos gestores governamentais. Revista de Administração Pública.

Kluck, M. (ABRIL de 2002). ANVISA - Seminário sobre INDICADORES HOSPITALARES – abril 2002. Indicadores de qualidade assistencial - Projeto SIPAGEH e o HCPA. Faculdade de Medicina / HCPA.

Llauradó, O. (23 de Janeiro de 2015). A atualidade sobre market research. Fonte: Netquest: http://www.netquest.com/blog/br/escala-likert/

Lucian, R. (2015). Protocólos para análises estatísticas: Uma revisão teórica das principais decisões em Métodos Quantitativos em Administração. Revista Eletrônica de Ciências - VEREDAS, 131-145.

Magri, L., Aciole, G., Salomão, F., Tagliaferro, E., & Ribeiro, L. (2016). Estudo comparativo de indicadores de saúde bucal em município do estado de São Paulo. SAÚDE EM DEBATE, 144-155.

Maia, C., & Guilhem, D. (2016). A regulação sanitária brasileira como parte da política de saúde: lacunas e desafios. Pan American Journal os Public Health, 155-160.

Martins, M., Goese, P., Barrionovo, M., & Massarollo, M. (2015). Direitos dos pacientes requeridos em um serviço público de. Revista Rene, 337-344.

Moimaz, S., Marques, J., Saliba, O., Garbin, C., Zina, L., & Saliba, N. (2010). Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis. Revista de Saúde Coletiva, 1419-1440.

Novaretti, M., Serinolli, M., & Aquino, S. (2015). Funcionalidade das plataformas SIGA e CROSS na regulação em oncologia: Experiência do município de Sáo Paulo. Gestão e Saúde, 698-714.

Oleskovicz, M., Oliva, F., Grisi, C., Lima, A., & Custódio, I. (2014). Técnica de overbooking no atendimento público ambulatorial em uma unidade do Sistema Único de Saúde. Caderno de Saúde Pública, 1009-1017.

Ortega, M., Prato, J., Coria, A., Lara, S., Barrell, A., & Téllez, V. (2016). Os Sistemas de Referência e Contra-Referência de pacientes na América Latina: Mecanismos de Coordenação Assistencial e papel da Medicina de Família e Comunidade. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 37-45.

Paim, J., Travassos, C., Almeida, C., Bahia, L., & Macinko, J. (2011). Saúde no Brasil 1. O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios, pp. 11-31.

Pinto Junior, V. C., Fraga, M. N., & Freitas, S. M. (2012). Análise das portarias que regulamentam a Política Nacional de atenção Cardiovascular de alta Complexidade. Bras Cir Cardiovasc, 463-468.

PNASS - Programa Nacional de Avaliação dos Serviços de Saúde. (2015). Brasília, DF, Brasil: Ministério da Saúde.

Portaria MS/GM n.º 95. (26 de Janeiro de 2001). Regionalização da Assistência a Saúde: Aprofundando a Descentralização com equidade no acesso. Bradília, DF: Ministério da Saúde.

Portaria nº 1.559. (01 de Agosto de 2008). Institui a Política Nacional de Regulação do Sistema Único de Saúde - SUS. Brasil.

Portaria nº 1169. (15 de Junho de 2004). Institui a Política Nacional da Atenção Cardio Vascular de Alta Complexidade. Brasil.

Portaria nº 399/GM. (22 de Fevereiro de 2006). Divulga o Pacto pela Saúde 2006 - Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasil.

Poz, M., Pierantoni, C., & Varella, T. (junho de 1997). Produtividade e Desempenho dos Recursos Humanos nos Serviços de Saúde. Divisão de Desenvolvimento de Sistemas e Serviços de Saúde.

Protasio, A., Silva, P., Lima, E., Gomes, L., Machado, L., & Valença, A. (2014). Avaliação do sistema de referência e contrarreferência do estado da Paraíba segundo os profissionais da Atenção Básica no contexto do 1º ciclo de Avaliação Externa do PMAQ-AB. Saúde Debate, 209-220.

Raupp, F., & Beuren, I. (2003). Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade, 76-97. São Paulo: Atlas.

Santos, J., & Souza, L. (2008). Absenteísmo dos usuários em consultas e procedimentos especializados agendados no SUS: Um estudo em um município Baiano. Vitória da Conquista , Bahia, Brasil: Universidade Federal da Bahia - UFBA.

Série Pactos pela Saúde - vol 06. (2006). Diretrizes para a implantação de Complexos Reguladores. Brasília, Brasil: Ministério da Saúde.

Silva, R. K. (09 de desembro de 2013). Método de Pesquisa Survey. Fonte: Partes: http://www.partes.com.br/2013/12/09/metodo-de-pesquisa-survey/#.V5q5v5Ug_IU

Silva, T., Ribeiro, G., Nunes, A., Vasconcelos, F., & Andriola, W. (2015). Avaliação dos Indicadores da Qualidade do Ensino Online: Um estudo de caso. pp. 503-511.

Sousa, F., Medeiros, K., Gurgel Júnior, G., & Albuquerque, P. (2014). Do normativo à realidade do Sistema Único de Saúde: revelando barreiras de acesso na rede de cuidados assistenciais. Ciência & Saúde Coletiva, 1283-1293.

Sousa, R. (2015). Absenteísmo e sua influência nas organizações. ETIC - Encontro de Iniciação Científica.

Souza, P., Scatena, J., & Kehrig, R. (2016). Aplicação da Análise Envoltória de Dados para avaliar a eficiência de hospitais do SUS em Mato Grosso. Physis Revista da Saúde Coletiva, 289-308.

Yakuwa, M., Sartori, M., Mello, D., Duarte, M., & Tonete, V. (2015). Vigilância em Saúde da Criança: perspectiva de enfermeiros. Revista Brasielira de Enfermagem - REBEn, 384-390.

Yin, R. (2001). Estudo de Caso Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Sage Publications, Inc. e Artrned Editora Ltda.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v6i3.341

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br