Evolução dos Custos Médico-Hospitalares de Planos Privados de Assistência à Saúde no Brasil

Aline Bento Ambrosio Avelar, Antonio Sergio da Silva, Nuno Manoel Martins Dias Fouto

Resumo


O Brasil alcançou uma taxa de cobertura nacional de planos de saúde privados de assistência médica em torno de 24,5% em junho de 2017 (47.383.248). Entretanto, se observa uma queda de 6,4% no número de beneficiários em relação dez/2014 (50.409.378). Esta pesquisa analisa a evolução dos custos das operadoras médico-hospitalares brasileiras de planos privados de assistência à saúde (administradora de benefícios, autogestão, cooperativa médica, filantropia, seguradora especializada em saúde e medicina de grupo) no período entre 2003 e 2016, sob a perspectiva das variações do custo médio e da sinistralidade (taxa de utilização de recursos e de serviços). Foram usados dados públicos disponíveis nas páginas eletrônicas do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), da Agência Nacional de Saúde e do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA). Neste período se observou que o crescimento da inflação médica no Brasil foi superior à inflação geral e que a sinistralidade permanece em níveis elevados (média geométrica de 81,87%). Isto é, houve um crescimento do custo médio junto com a produção.

Palavras-chave


Custos; Sinistralidade; Operadora médico-hospitalar

Texto completo:

PDF

Referências


Ademi, Z., Reid, C.M., Hollingsworth, B., Stoelwinder, J., Steg, P.G., Bhatt, D.L., Vale, M., & Liew, D. (2011). Cost-Effectiveness of Optimizing Use of Statins in Australia: Using Outpatient Data From the REACH Registry. Clinical Therapeutics, 33(10), 1456-1465. doi: 10.1016/j.clinthera.2011.08.004

Arrow, K.J. (1976). Theoretical issues in health insurance. (University of Essex: Noel Buxton Lecture).

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2008). Cadernos de Informação da Saúde Suplementar: Beneficiários, Operadoras e Planos. Recuperado de: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Caderno_informacao_saude_suplementar/2008_mar08_caderno_informacao.pdf

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2013). Painel de Precificação: Planos de Saúde. Recuperado de: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Foco/Web_Final_precificacao_2013.pdf.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2015). Cadernos de Informação da Saúde Suplementar: Beneficiários, Operadoras e Planos. Recuperado de: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Caderno_informacao_saude_suplementar/2015_mes03_caderno_informacao.pdf

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2017). Cadernos de Informação da Saúde Suplementar: Beneficiários, Operadoras e Planos. Recuperado de: http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Caderno_informacao_saude_suplementar/caderno_informacao_junho_2017.pdf

Albuquerque, G.M., Fleury, M.T.L., & Fleury, A.L. (2011). Integração Vertical nas Operadoras de Assistência Médica Privada: um estudo exploratório na Região de São Paulo. Revista Produção, 21(1), 39-52.

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M & Schaefer, S. (2012). A Economia da Estratégia. Tradução: Cristiane de Brito. Revisão Técnica: Herbert Kimura, Leonardo Fernando Cruz Basso. (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Borgonovi, E., & Compagni, A. (2013). Sustaining Universal Health Coverage: The Interaction of Social, Political and Economic Sustainability. Value in Health, 16, S34-S38. doi 10.1016/j.jval.2012.10.006

Chakravarty, C.A., & Naware, C.S.S. (2008). Cost-effectiveness analysis for technology acquisitions. Medical Journal Armed Forces India, 64(1), 46-49. doi: 10.1016/S0377-1237(08)80146-3

Drummond, M.F., Sculpher, M.J., Torrance, G.W., O’Brian, B., Stoddart, G.L. (2005). Methods for the economic evalutaion of health care programmes. (3a ed.). Oxford: Oxford Medical Publications.

Instituto De Estudos de Saúde Suplementar. (2013a). Fontes de desperdício de recursos no sistema de saúde americano. Recuperado de: http://www.iess.org.br/?p=publicacoes&id=442&id_tipo=3#.VX3etUtWtGA.

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. (2013b). Envelhecimento populacional e os desafios e os desafios para o sistema de saúde brasileiro. Recuperado de: http://www.iess.org.br/?p=publicacoes&id=389&id_tipo=3#.VX3fm0tWtGA.

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. (2014). Guia da Saúde Suplementar. Recuperado de: http://www.iess.org.br/?p=publicacoes&id=653&id_tipo=9.

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. (2015). Saúde Suplementar em Números. (7a ed.).

Recuperado de: http://iess.org.br/?p=publicacoes&id_tipo=14#.VX3dv0tWtGA.

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. (2016). Saúde Suplementar em Números. (14a ed.). Recuperado de: http://iess.org.br/?p=publicacoes&id_tipo=14#.VX3dv0tWtGA.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2003). Formas de Remuneração de Serviços da Saúde. Recuperado de: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&id=4222.

Kellermann, A.L., & Jones, S.S, (2013). What it will take to achieve the as-yet-unfulfilled promises of health information technology. Health Affairs (Millwood), 32(1). 63-68. doi: 10.1377/hlthaff.2012.0693

Lega, F., Prenestini, A. & Spurgeon, P. (2013). Is management essential to improving the performance and sustainability of health care systems and organizations? A systematic review and a roadmap for future studies. Value in Health, 16, S46-S51.doi: 10.1016/j.jval.2012.10.004

Leal, R.M. & de Matos, J.B.B. (2009). Planos de Saúde: uma Análise dos Custos Assistenciais e seus componentes. Revista de Administração de Empresas, 49(4), 447-458.

Moreno, E., Girón, F.J., Martínez, M.L., Vázquez-Polo, F.J & Negrín, M.A. (2013).

Optimal treatment in cost-effectivenes analysis in the presence of covariates: improving patient subgroup definition. European Journal of Operacional Research, 226, 173-182.

Pronovost, P.J., Bo-Linn, G.W. & Sapirstein, A, (2014). From heroism to safe design: leveraging technology. Anesthesiology, 120,526-529.

Pindyck, R., & Rubinfeld, D. (2013). Microeconomia. Revisão Técnica de Julio Manuel Pires e Edgard Monfort Merlo. (8a ed.). São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Silva, L.K. (2003). Avaliação tecnológica e análise custo-efetividade em saúde: a incorporação de tecnologias e a produção de diretrizes clínicas para o SUS. Ciência & Saúde Coletiva, 8(2), 501-520.

Vasconcelos, M.A.S., & Lopes, L.M. (Orgs.). (2011). Manual de Microeconomia. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Wachter, R.M., Pronovost, P. & Shekelle, P. (2013). Strategies to improve patient safety: the evidence base natures. Annals of Internal Medicine, 158 (5 pt 1), 350-342.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v7i1.381

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 Rev. Gest. Sist. Saúde, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-3712

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.