Tecnologias Assistivas E Suas Aplicações: uma análise a partir de patentes

Franklin Menezes da Silva, Priscila Rezende da Costa, Renato Ribeiro Nogueira Ferraz, Luc Quoniam, David Reymond

Resumo


O objetivo deste trabalho foi mapear as tecnologias assistivas e suas aplicações a partir dos depósitos de patentes, considerando que tais tecnologias são produtos e/ou mecanismos que oportunizam a inclusão social das pessoas com deficiência. A base de dados utilizada na pesquisa foi a Espacenet e o INPI, com aproximadamente 90 milhões de documentos registrados. Foram encontrados 616 documentos relacionados às tecnologias assistivas em um período de 15 anos, ou seja, de 2000 a 2015. De forma específica, os resultados revelaram que as aplicações das tecnologias assistivas para deficiências físicas e visuais estão concentradas em quatro classes de patentes, envolvendo (A61G5) “cadeiras ou transportes pessoais especialmente adaptadas para pacientes ou deficientes físicos”, (A61H3) “aparelhos para ajudar os deficientes físicos a se locomoverem”, (A61G7) “camas e dispositivos para levantamento de pacientes ou deficientes físicos”, e (A61F2) “próteses e substitutos artificiais de partes do corpo”. Foi também possível constatar que a China é o país chave no registro de patentes associadas à aplicação de tecnologias assistivas e, além disso, é também o país que centraliza a maior parte dos inventores e depositantes.

Palavras-chave


Patentes; Tecnologias Assistivas; Inovação

Texto completo:

PDF

Referências


Abbas, A.; Zhang, L. & Khan, S. U. (2014) Literature review on the state-of-the-art in patent analysis. World Patent Information, v. 37, p. 3-13.

ADA - Americans with Disabilities ACT (1994). Assistive Technology concept. Disponível em: Acesso em 24/09/2015.

Amaral, R. M. D., Possatti, M. A., Faria, L. I., Allipandrini, D. H., & Pereira, N. A. (2004). Uma visão da produção científica nos Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção através da Bibliometria. Encontro Nacional de Engenharia de Produção

através da Bibliometria, 24, 4883-4890.

Araújo, C. A. (2007) Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, v. 12, n. 1.

Barbieri, J. C. (1997) A contribuição da área produtiva no processo de inovações tecnológicas. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 37, n. 1, p. 66-77.

Barnes, C.; Mercer, G. (2005). Disability, work, and welfare challenging the social exclusion of disabled people. Work, Employment & Society, v. 19, n. 3, p. 527–545.

Borg, J.; Larsson, S.; Östergren, P. O. (2011) The right to assistive technology: For whom, for what, and by whom? Disability & Society, v. 26, n. 2, p. 151-167.

Brasil. CNAT - Catálogo Nacional de Ajudas Técnicas, Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência (2005). Disponível em Acesso em 14/07/2015.

Brasil. SDHPR - Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência - SNPD (2009). Disponível em: Acesso em 12/07/2015.

EUROPEAN PATENT OFFICE: Espacenet (n.d.). Basic patents. Disponível em: . Acesso em Maio de 2015.

Farfus, D. & Rocha, M. D. S. (2007) Inovação Social: um conceito em construção. FARFUS, D.; ROCHA, MCS Inovações sociais. Curitiba: SESI/SENAI/IEL/UNINDUS.

Ferraz, R. R. N., Quoniam, L., Reymond, D., & Nigro, C. A. (2015). Exemplo de Uso Gratuito do OPS (Open Patent Service) para Educação e Informação em Patentes por meio da Utilização da Ferramenta Computacional Patent2net. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Porto Alegre, RS, Brasil, 39.

Fleury, M. T. L. & Oliveira Jr, M. D. M. (2001) Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 294-3.

Gillespie, A.; Best, C. & O'neill, B. (2012) Cognitive function and assistive technology for cognition: A systematic review. Journal of the International Neuropsychological Society, v. 18, n. 01, p. 1-19.

Godói-de-Sousa, E., Mendonça, J. M. B., de Sousa, M. G., & dos Santos, L. T. (2014). O Perfil do Empreendedor Social e Suas Dimensões de Atuação: Seis Casos no Município de Uberlândia-MG. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 3(1).

Gregor, P.; Newell, A. F. & Zajicek, M. (2002) Designing for dynamic diversity: interfaces for older people. In Proceedings of the fifth international ACM conference on Assistive technologies (p. 151–156). ACM. Recuperado de http://dl.acm.org/citation.cfm?id=638277

Hurst, R. (2000) Disabled People and Social Policy: From exclusion to inclusion. Disability & Society, v. 15, n. 1, p. 175.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoa com deficiência. Disponível em Acesso em 14/07/2015.

Imielinski, T.; Virmani, A. & Abdulghani, A. (1996) Data Mine: Application Programming Interface and Query Language for Database Mining. (Vol. 42, p. 256–261). Apresentado em The Second International Conference on Knowledge Discovery and Data Minning, Portland. Recuperado de http://www.aaai.org/Papers/KDD/1996/KDD96-042

Mulgan, G. (2006) The process of social innovation. Innovations, v. 1, n. 2, p. 145-162.

Neves, M. R. (2007) Análise cientométrica dos estudos bibliométricos publicados em periódicos da área de biblioteconomia e ciência da informação (1990-2005). Perspectivas em ciência da informação, v. 12, n. 3, p. 2-20.

ONU - Organização das Nações Unidas (2011). A ONU e as pessoas com deficiência. Disponível em . Acesso em 14/07/2015.

Puhlmann, A. C. A. & Moreira, C. (2004) Noções gerais sobre proteção de tecnologia e produtos: versão inventor. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas.

Quintero, G. M. & Rodríguez, N. I. M. (2015) Los miembros del sistema nacional de investigadores mexicano: Un acercamiento desde la producción de patentes 2003-2012. Interciencia: Revista de ciencia y tecnología de América, v. 40, n. 12, p. 840–846.

Quoniam, L.; Kniess, C. T. & Mazzieri, M. R. (2014) A patente como objeto de pesquisa em Ciências da Informação e Comunicação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 19, n. 39, p. 243-268.

Reymond, D. & Quoniam, L. (2014) PatentToNet : l’exploration libre des brevets par les réseaux. In sfsic2014. Université du Sud Toulon Var, Toulon, France.

Rimmer, J. H., Riley, B., Wang, E., Rauworth, A., & Jurkowski, J. (2004). Physical activity participation among persons with disabilities: barriers and facilitators. American journal of preventive medicine, 26(5), 419-425.

Rollin, J. & Vincent, V. (2007) Acteurs et processus d'innovation sociale au Québec. Réseau québécois en innovation sociale.

Russell, J. M.; Del Río, J. A. & Cortés, H. D. (2007) Highly visible science: A look at tree decades of research from Argentina, Brazil, Mexico and Spain. Interciencia, v. 32, n. 9, p. 629–634.

Sassaki, R. K. (2005) Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA.

Silva, Y. F. & Boia, Y. I. K. (2005) Turismo e responsabilidade social–uma reflexão sobre os direitos das pessoas com necessidades especiais. IN: RUSCHAMNN, Doris e SOLHA, Karina Toledo. Planejamento turístico.

WHO - World Health Organization (2012). Relatório mundial sobre a deficiência. The World Bank. Trad Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD. Disponível em: Acesso em 24/09/2015.

WIPO - World Intellectual Property Organization (2015). What is WIPO? Disponível em: . Acesso em 15/07/2015.

World Health Organization. (2007). Assessment of iodine deficiency disorders and monitoring their elimination: a guide for programme managers.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v7i1.393

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br