Logística Reversa de Explantes Cirúrgicos em um Hospital Filantrópico: Implantação de um Novo Modelo Ecoeficiente de Gerenciamento de Resíduo Hospitalar

Ariel Urioste, Maria Antonietta Leitão Zajac, Simone Aquino, Andreza Portella Ribeiro

Resumo


Explantes cirúrgicos são dispositivos metálicos que foram implantados cirurgicamente em pacientes e que depois de retirados seguem uma destinação diferenciada dos demais resíduos hospitalares, já que devem ser submetidos ao processo de esterilização para serem considerados resíduos sem risco biológico. O presente estudo teve como objetivo implantar um sistema de gerenciamento de descarte de explantes cirúrgicos, após um diagnóstico realizado por meio do uso parcial da ferramenta de avaliação o Sistema Contábil Gerencial Ambiental (SICOGEA), considerando as etapas de preparação dos materiais, desde a geração do resíduo até sua disposição final. Para a implantação do sistema de gerenciamento foram aplicadas ferramentas de controle, elaboração de fluxo e capacitação dos funcionários, cujos métodos foram preparados em conjunto com os responsáveis pelas as áreas técnicas envolvidas e, por fim, após o explante ser considerado resíduo inservível é encaminhado a uma empresa especializada no tratamento dos resíduos de explantes para a manufatura reversa. Estudos futuros devem ser realizados para ampliar a análise para outros estabelecimentos de serviços de saúde, bem como realizar uma análise mais aprofundada da ecoeficiência do processo hospitalar. Com as medidas supracitadas implantadas, foi observado que houve um aumento de 45% para 100% da ecoeficiência nas operações relacionadas à destinação de resíduos de explantes, como resultado das melhorias implantadas no gerenciamento de descarte e encaminhamento para manufatura reversa.

Palavras-chave


Explantes Cirúrgicos; Manufatura Reversa; Resíduos; SICOGEA; Ecoeficiência; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2016) Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2016. São Paulo. 64 p. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2016.pdf).

André, S. C. da S., Veiga, T. B., & Takayanagui, A. M. M. (2016). Geração de Resíduos de Serviços de Saúde em hospitais do município de Ribeirão Preto (SP), Brasil. Engenharia. Sanitária e. Ambiental, 21(1), 123–130.

Anjos, A. P., Caetano, L. F. O., Lara, C. A., & Mendonça, L. P. (2012). Logística reversa e sustentabilidade: Enfoque econômico e ambiental. Conexão, 1-12. Recuperado em 07 de maio, 2018 de http://www.aems.com.br/conexao/edicaoanterior/Sumario/downloads/2012/humanas/LOG%C3%8DSTICA%20REVERSA%20E%20SUSTENTABILIDADE%20ENFOQUE%20ECON%C3%94MICO%20E%20AMBIENTAL.pdf

Aquino, J. M., Barros, L. P., Brito, S. A., Ferreira, E. B., Medeiros, S. E. G., & Santos, E. R. (2014). Centro de material e esterilização: acidentes de trabalho e riscos ocupacionais. Revista SOBECC, 19(3), 148–154.

Barbieri, J. C. (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. In Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. (3ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Chudasama, R., Rangoonwala, M., Sheth, A., Misra, S. K. C., Kadri, A. M., & Patel, U. V. (2017). Biomedical Waste Management: A study of knowledge, attitude and practice among health care personnel at tertiary care hospital in Rajkot. Journal of Research in Medical and Dental Science, 1(1), 17–22.

Ferreira, A.C.de.S. (2002) Contabilidade ambiental in controladoria: agregando valor para a empresa. São Paulo: Bookman Cia Editora, divisão Artmed Editora S.A.

Ferreira, D. D. M., Gorges, J., & da Silva, L. E. (2015). Plano de gerenciamento de resíduos do serviço de saúde: o caso do setor odontológico de uma entidade sindical. InterSciencePlace, 1(9).

Hariz, H.A., Dönmez, C.Ç. & Sennaroglu, B. (2017). Siting of a central healthcare waste incinerator using GIS-based Multi-Criteria Decision Analysis. Journal of Cleaner Production 166, 1031-1042.

Lasch, F., & Wolff, D. B. (2010). Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde: um estudo de caso. Disciplinarum Scientia| Naturais e Tecnológicas, 11(1), 64–86.

Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010 (2010). Dispõe sobre a política nacional de resíduos sólidos (E-1). Diário Oficial da União. Brasília, Ministério do Meio Ambiente. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.observatorio-iberoamericano.org/RICG/N%C2%BA_21/Silvia_Andrade,_Elisete_Dahmer,_Sandro_Vieira_y_Roque_Brinckmann.pdfhttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm

Leite, P. R. (2009). Logística reversa: meio ambiente e competitividade. Em Logística reversa: meio ambiente e competitividade. (2ª ed.), Pearson.

Liu, H.-C., You, J.-X., Lu, C., & Chen, Y.-Z. (2015). Evaluating health-care waste treatment technologies using a hybrid multi-criteria decision making model. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 41, 932–942.

Luz F.,S.A., Pfitscher, E. D., Soares, S. V., & Brinckmann, R. (2013). Análise propositiva do grau de sustentabilidade ambiental de um hospital privado. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, 11, 1-22.

Machado, F. D., da Silveira, M. L. G., & Rover, S. (2014). Contabilidade e Sustentabilidade Ambiental: Estudo Sobre Explantes em um Hospital do Rio Grande do Sul. In Anais do Congresso UFSC de Controladoria e Finança & Iniciação Científica em Contabilidade (p. 16f).

Makhura, R. R., Matlala, S. F., & Kekana, M. P. (2016). Medical waste disposal at a hospital in Mpumalanga Province, South Africa: Implications for training of healthcare professionals. South African Medical Journal, 106(11), 1096–1102.

Marques, V. E. (2008). Análise dos aspectos ambientais com o auxílio da contabilidade e controladoria ambiental e aplicação parcial do SICOGEA: estudo de caso em um hospital. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação), Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Socioeconômico. Curso de Ciências Contábeis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Recuperado em 05 de maio de 2018 de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/126243/Contabeis292252.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Miranda, A (2014). Gestão da Qualidade em CME. Anais da IV Jornada de estudos sobre processamento de produtos para saúde. Recuperado em 18 maio, 2017 de http://www.sindihospa.com.br/4jornada/palestras/AnaMiranda.pdf.

Neubauer, I. W., Tenis, M. A., Souza, M. D., Lapchik, M. S., & Brito, V. O. (2013). Reunião dos Serviços de Controle de Infecção Hospitalar dos Hospitais Municipais de São Paulo. Ano 2013. Prefeitura de São Paulo. Recuperado em 12 de junho, 2017 de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/cirurgias_seguras_14-08-2013_1377542674.pdf.

Nogueira, D.N.G. & Castilho, V. (2016). Resíduos de serviços de saúde: mapeamento de processo e gestão de custos como estratégias para sustentabilidade em um centro cirúrgico. REGE - Revista de Gestão, 23(4), 362-374.

Pamplona, V., Pfitscher, E. D., Uhlmann, V. O., & Limongi, B. (2010). Sustentabilidade através da contabilidade ambiental: Estudo de caso em instituição hospitalar. Revista Ambiente Contabil, 2(2), 50.

Pamplona, V., Pfitscher, E. D., Uhlmann, V. O., & Limongi, B. (2011). Gestão e contabilidade ambiental: estudo de caso em instituição hospitalar. Contabilidade, Gestão e Governança, 14(2).

Pfitscher, E. D. (2004). Gestão e Sustentabilidade através da contabilidade e controladoria ambiental: estudo de caso na cadeia produtiva de arroz ecológico. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, PR, Brasil.

Prefeitura de São Paulo. (n.d.). Taxa de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde (TRSS). Recuperado 25 de janeiro de 2018, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/fazenda/servicos/taxaderesiduos/index.php?p=2356

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 358, de 29 de abril de 2005 (20105). Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos Serviços de saúde. Brasil. Recuperado em 10 de março de 2018 de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=462

Resolução da Diretoria Colegiada n. 15, de 15 de março de 2012 (2012). Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Recuperado em 15 maio, 2017 de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0015_15_03_2012.html.

Resolução da Diretoria Colegiada n. 306, de 7 de dezembro de 2004 (2004). Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, 2004. Recuperado em 23 maio, 2017 de http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/res_306.pdf

Resolução da Diretoria Colegiada n. 222, de 28 de março de 2018 (2018). Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, 2018. Recuperado em 15 abril, 2018 de http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3427425/RDC_222_2018_.pdf/c5d3081d-b331-4626-8448-c9aa426ec410

Rosa, F. S., Pfitscher, E. D., Steiger, M. M., Oliveira Nunes, J. P., & Silva, G. J. (2008). A Implantação do SICOGEA-Sistema Contábil Gerencial Ambiental em um Hospital. In Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC.

Shrestha, D., Gokhe, S. B., Dhoundiyal, A., & Bothe, P. (2017). A case study to review compliance to biomedical waste management rules in a tertiary care hospital. International Journal Of Community Medicine And Public Health, 4(2), 511–515.

Silva, L. B., & Santos, M. M. (2017). Logística reversa: uma alternativa sustentável ou não? Revista Interatividade, 5(2), 253–266.

Silva, Oliveira, Evangelista, T. J., Suto, C. S. S., & Mascarenhas, N. B. (2017). Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: atenção básica e hospitalar. Revista Eletronica Gestão & Saúde, 8(2), 318–337.

Sisinno, C. L. S., & Moreira, J. C. (2005). Ecoeficiência: um instrumento para a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Cadernos de Saúde Pública, 21, 1893–1900.

Tesfahun, E., Kumie, A., & Beyene, A. (2016). Developing models for the prediction of hospital healthcare waste generation rate. Waste Management & Research, 34(1), 75–80.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Viriato, A., & Moura, A. de. (2011). Ecoeficiência e economia com a redução dos resíduos infectantes do Hospital Auxiliar de Suzano. O Mundo da Saúde, 35(5), 305–10.

Windfeld, E. S., & Brooks, M. S.-L. (2015). Medical waste management–A review. Journal of Environmental Management, 163, 98–108.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.

Zajac, M. A. L., Santos L. C. A. dos, Oliveira, A. de, Mourino, A. R. O., David, C. J., & Kniess, C. T. (2016a). Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) em um Hospital Público: Experiência de Intervenção por Parte de uma Universidade. International Journal of Health Management Review, 2(2), 44–62.

Zajac, M. A. L., Fernandes, R.O., David, C.J & Aquino, S. (2016b). Logística reversa de resíduos classe D em ambiente hospitalar: Monitoramento e avaliação de reciclagem no hospital infantil Cândido Fontoura. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 5(1), 78-93.

Zimmerman, K. (2017). Microwave as an emerging technology for the treatment of biohazardous waste: A mini-review. Waste Management & Research, 35(5), 471-479.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rev.+gest.+sist..v7i3.415

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br