Fundamentos Econômicos para Integração Vertical

Ruben Joaquim Pinto Loureiro, Eduardo Fontão Mont'Alverne Brou, Jorge Manuel Marques Simões

Resumo


De acordo com a teoria econômica, a integração vertical é justificada principalmente pela ocorrência de eficiências produtivas, além dos custos de transação entre as fases de produção. O presente estudo tem como objetivo confirmar a presença desses fatores no setor de saúde, justificando, assim, a urgência das operações de integração vertical das diferentes etapas da cuidados de saúde. Propõe-se uma análise dos esforços de integração vertical no Sector da Saúde Português, que compreende uma tentativa de decifrar a benevolência e congruência dos seus catalisadores, soluções e resultados. Além disso, os resultados obtidos com as operações internacionais de integração vertical são brevemente revisados e discutidos, ou seja, os resultados positivos em relação às doenças do estilo de vida. Em geral, espera-se que a integração vertical no setor da saúde ofereça serviços de saúde mais eficientes e melhores às populações.

Palavras-chave


Integração Vertical, Eficiência Produtiva, Custos de Transação, Unidades Locais de Saúde, Prestação de Cuidados de Saúde, Doenças relacionadas com o Estilo de Vida.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Costa, C. & Santana, R., 2008. A integração vertical de cuidados de saúde: aspectos conceptuais e organizacionais. Revista portuguesa de saúde pública, 7 (Organização dos cuidados de saúde)

Nunes, C. et al., 2012. Interligação e integração entre cuidados de saúde primários e cuidados hospitalares, Lisboa: Ministério da Saúde

Lopes, H. et al., 2014. Relatório do Grupo de Trabalho criado para a definição de proposta de metodologia de integração dos níveis de cuidados de saúde para Portugal Continental, s.l.: Ministério da Saúde

WHO, 2008. Integrated health services - What and why? , s.l.: s.n.

Loureiro, R., Brou, E., & Fernandes A.C., (2017). Estrutura e organização dos cuidados de saúde em Portugal Introdução das unidades locais de saúde e os problemas da integração vertical, Revista Portuguesa de Gestão e Saúde, nº22, pp. 32-37

Fronmueller, M. P. & Reed, R., 1996. The competitive advantage potential of vertical. The International Journal of Management Science, December, p. 715–726.

Williamson, O. E., 1985. The Economics Institutions of Capitalism. s.l.:The free press.

Porter, M., 1997. Estratégia Competitiva: Técnicas para a análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus

Barros, P. M. A., 2012. Determinantes da Integração Vertical: uma análise de empresas Portuguesas. S.l: UMinho.

Perry, M. K., 1989. Vertical integration: Determinants and effects. Em: Handbook of Industrial Organization. Amsterdam: North Holland, pp. 185-255.

Moschandreas, M., 1994. Business Economics. New York: Thomson.

Queiroz, R. V. d. & Queiroz, A. E. F. S. d., 2006. Integração Vertical versus Terceirização: análise da viabilidade em um estudo de caso na indústria moveleira. Fortaleza: s.n.

Williamson, O., 1994. Strategizing, Economizing, and Economic Organization. Em: Fundamental Issues in Strategy.. s.l.:Harvard Business School Press.

Fagundes, J., s.d. Economia Institucional: Custos de Transação e Impactos sobre Política de Defesa da Concorrência. s.l.:UFRJ.

Rocha, M. M. d., 2002. Integração vertical e incerteza. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Azevedo, P. F. d., 1996. Integração vertical e outros arranjos. s.l., s.n., pp. 1327-1344.

Foss, N., 1993. Theories of the firm: contractual and competence perspectives”.. Journal of Economic Behavior and Organization, pp. 127-144.

Kato, H. T. & Margarido, M. A., 2000. Economica dos custos de transação (ECT): análise do conflito das bananas. Revista de Administração, outubro/dezembro, pp.13 -21.

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M. & Schaefer, S., 2006. A economia da estratégia. 3ª ed. s.l.:Bookman Companhia.

Coase, R., 1937. The Nature of the Firm. Economica, Novembro, pp. 386-405.

Fan, J. P., 2000. Price uncertainty and vertical integration: an examination of petrochemical firms. Journal of Corporate Finance, 21 April, pp. 345-376.

Slack, N. et al., 1997. Administração da produção. 1ªEd. ed. São Paulo: Atlas.

Lawrence, P. & Lorsh, J., 1967. Differentiation and integration in complex organizations. Administrative Science Quarterly, jun, pp. 1-47.

Kodner, D. & Kyriacou, C., 2000. Fully integrated care for frail elderly: two American models. International Journal Integrated Care, 1 november.

Brown, M. & McCool, B., 1986. Vertical integration: exploration of a popular strategic concept. Health Care Management Review, pp. 7-19.

Santana, R., 2011. O financiamento por capitação ajustada pelo risco em contexto de integração vertical de cuidados de saúde: a utilização dos consumos com medicamentos como proxy da carga de doença em ambulatório. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública.

Kodner, D. L. & Spreeuwenberg, C., 2002. Integrated care: meaning, logic, applications, and implications – a discussion paper. November.

Pordata, 2001. Pordata. [Online] Available at: http://www.pordata.pt/Portugal/Indicadores+de+envelhecimento-526 [Acedido em 03 11 2017]

Barros, P. P., 2013. Economia da Saúde. 3ªEd ed. Lisboa: Almedina.

Santana, R. & Costa, C., 2008. A integração vertical de cuidados de saúde: aspectos conceptuais e organizacionais. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 7, pp. 29-56.

Walston, S., Kimberly, J. & Burns, L., 1996. Owned vertical integration and health care: promise and performance. Health Care Management Review, pp. 83-92.

Nolte, E. & Pitchforth, E., 2014. What is the evidence on the economic impactes of integrated care?, Copenhagen: World Health Organization.

Sutton, M. & Long, J., 2014. Integration of health and wellbeing services with general health services, Health Research Board

Nigatu, T., 2012. Integration of HIV and Noncommunicable Diseases in Health Care Delivery in Low- and Middle-Income Countries. Preventigng Chronic Disease.

Janssens B, Van Damme W, Raleigh B, Gupta J, Khem S, Soy Ty K, et al. 2007. Offering integrated care for HIV/AIDS, diabetes and hypertension within chronic disease clinics in Cambodia. Bull World Health Organ.

Brickley, J. A., Smith, C. W. & Zimmerman, J. L., 2009. Managerial economics and organizational architecture. 5th ed ed. New York: McGraw-Hill/Irwin.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rev.+gest.+sist..v7i3.442

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br