Proposição de Protocolo de Gestão de Condutas para Clínicas Odontológicas

Laiane Aparecida Soares Sena Neri, Gabriel Nery da Silva, Luiz Teruo Kawamoto Junior

Resumo


O objetivo desta pesquisa é elaborar um protocolo de boas práticas para evitar más condutas em uma clínica odontológica por parte de seus funcionários. A pesquisa é do tipo aplicada, de natureza qualitativa e de caráter exploratório. Por meio de um roteiro pré-estabelecido, foi realizada uma entrevista com o gestor de uma clínica odontológica. A entrevista foi transcrita, e os resultados foram comparados com a literatura a fim de servir de base para elaboração do protocolo. Após elaboradas, o protocolo foi validado por meio de questionários aplicados a um dentista, um advogado e um especialista em ética e governança. O protocolo foi finalizado com uma linguagem simples e objetiva, acessível aos profissionais de odontologia, abordando conceitos importantes e de acordo com a legislação brasileira.

Palavras-chave


Fraude. Governança Clínica. Engajamento. Má Conduta. Gestão em Saúde. Códigos de Ética.

Texto completo:

PDF

Referências


Assing, I., Alberton, L., & Tesch, J. M. (2008). O comportamento das fraudes nas empresas brasileiras. Revista da FAE, 11(2).

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. rev. e ampl (Vol. 70). Lisboa: Edições.

Bedani, M. (2013). Os desafios éticos na gestão de instituições financeiras de grande porte: a percepção de executivos do banco do Brasil. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 13(1), 5–18.

Burmester, H. (2015). Liderança. In Scarpi, M.J. Administração em Saúde: Autogestão de consultórios e clínicas. São Paulo: Editora DOC Comércio e Serviços Ltda.

Cordeiro, C. M. R. (2011). Auditoria e Governança corporativa. Curitiba: IESDE BRASIL SA.

Cressey, D. R., & Moore, C. A. (1983). Managerial values and corporate codes of ethics. California Management Review, 25(4), 53–77.

da Rosa Borges, G., Diel, F. J., & Fernandes, F. C. (2015). A contribuição da auditoria interna de riscos para o planejamento de organizações na área de saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 4(2), 9–27.

de Oliveira Ritta, C. (2010). Análise comparativa do controle interno no contas a receber e a pagar nas empresas Beta Ltda e Alfa Ltda. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 9(26), 62–78.

de Souza, A. F. (2014). Contabilidade na Prática. São Paulo: Editora Trevisan.

De Souza, D., Müller, J., Von Dentz, K., Mussoi, P., dos Santos, V. P. de A., & Zen, C. (2015). Auditoria interna aplicada no setor financeiro em empresa caxiense que atua na gestão de relacionamento com clientes. Anais-Seminário de Iniciação Científica de Ciências Contábeis, 5(2), 697–716.

IBGC. (2015). Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Recuperado 10 de setembro de 2018, de https://www.ibgc.org.br/index.php/ibgc/o-ibgc

Julião, R. (2015). Resan, União e Trabalho. Empresa pode proibir uso de celular no trabalho. Recuperado 10 de setembro de 2018, de http://www.resan.com.br/noticias-integra/40-empresa-pode-proibir-uso-de-celular-no-trabalho/

Macohin, G. A. (2016). Compras, contratações e terceirizações. Curitiba: IESDE BRASIL SA.

Maia, C. N. (2012). Manual do gestor do sistema S. São Paulo: SESI SENAI Editora.

Nascimento, S. M. (2016). Minha empresa proibiu celular no trabalho. Isso é legal? | EXAME. Recuperado 10 de setembro de 2018, de https://exame.abril.com.br/carreira/minha-empresa-proibiu-celular-no-trabalho-isso-e-legal/

Parodi, L. (2008). Fraudes Internas e Contábeis. In Manual das Fraudes (2o ed, p. 359–382). Rio de Janeiro: Brasport.

Santos, F. (2012). Licitações e Contratos Administrativos. Recife: Clube dos Autores.

Silva, K. H. A. da, Nascimento, J. C. H. B. do, Sousa, W. D. de, Bernardes, J. R., & Silva, F. C. B. da. (2015). O controle interno na prevenção de fraudes: um estudo de caso numa mineradora. Revista Opara, 5(1), 43–68.

Wright, A. (2008). Dental insurance fraud. Canadian Journal of Dental Hygiene, 42(5), 267.

Xavier, A. M., Pasqueto do Nascimento, L. M., & da Sailva, R. L. (2016). Demissão do empregado por Justa Causa por Iniciativa do Empregador: Consequências da Modalidade. Nativa-Revista de Ciências Sociais do Norte de Mato Grosso, 5(1).

Yenkner, C. (2010). Preventing an “inside job”: Simple steps can help stop fraud from within. Dental Lab Products, 35(5), 40.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rev.+gest.+sist..v7i3.446

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br