Impacto do Planejamento Estratégico Situacional em um Ambulatório de Atenção Especializada

Regina Celia Dias, Carlos Vital Giordano, Fabricio Simoes, Patricia Varela

Resumo


O objetivo deste trabalho é avaliar o impacto da aplicação do método Planejamento Estratégico Situacional - PES no setor de prontuários do Centro Municipal de Especialidades de São Carlos. O método utilizado foi uma uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva do tipo estudo de caso, com a abordagem e aplicação do Planejamento Estratégico Situacional (PES) de Carlos Matus. Os problemas do setor foram levantados em reunião e ordenados resultando num fluxograma situacional explicativo. Foram selecionados os nós críticos como problemas relacionados a recursos materiais e humanos, desorganização do processo de trabalho e falhas no sistema de cadastro que resultam em desmotivação, baixa qualidade do atendimento e baixa produtividade. O PES propicia o levantamento das causas dos problemas produzindo um fluxograma explicativo situacional, que dá início ao trabalho de análise e planejamento. Este método significa um avanço na democratização dos processos de planejamento e gestão ao valorizar a interpretação de cada indivíduo/ator da situação problema, mediante suas crenças, experiências e posição no jogo social. Espera-se avançar no processo de mudança das práticas de gestão do serviço de modo a melhorar o processo de trabalho e buscar a eficiência, efetividade e a participação democrática na tomada de decisões e implementação das ações.

DOI: 10.5585/rgss.v1i1.7


Palavras-chave


Planejamento Estratégico; Gestão em Saúde; Serviços de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Junqueira T da S, Cotta RMM, Gomes RC, Silveira S de FR, Siqueira-Batista R, Pinheiro TMM et al . As relações laborais no âmbito da municipalização da gestão em saúde e os dilemas da relação expansão/precarização do trabalho no contexto do SUS. Cad. Saúde Pública [serial on the Internet]. 2010 May [cited 2011 July 06] ; 26(5): 918-928. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010000500014&lng=en. doi: 10.1590/S0102-311X2010000500014.

Giovanella L. A atenção primária à saúde nos países da União Européia: configurações e reformas organizacionais na década de 1990. Cad. Saúde Pública [serial on the Internet]. 2006 May [cited 2011 July 06] ; 22(5): 951-963. Available from: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006000500008&lng=en. doi: 10.1590/S0102-311X2006000500008.

Campos GW de S, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública [periódico na Internet]. 2007 Fev [citado 2011 Jul 06]; 23(2): 399-407. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007000200016&lng=pt. doi: 10.1590/S0102-311X2007000200016.

Mendes EV. Os grandes dilemas do SUS. Salvador: Casa da Qualidade Editora; 2001.

Azevedo C da S.. Planejamento e gerência no enfoque estratégico-situacional de Carlos Matus. Cad. Saúde Pública [serial on the Internet]. 1992 June [cited 2011 July 06] ; 8(2): 129-133. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1992000200003&lng=en. doi: 10.1590/S0102-311X1992000200003.

Rivera FJU, Artmann E. Planejamento e gestão em saúde: flexibilidade metológica e agir comunicativo. Ciênc. saúde coletiva [periódico na Internet]. 1999 [citado 2011 Jul 06] ; 4(2): 355-365. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81231999000200010&lng=pt. doi: 10.1590/S1413-81231999000200010.

Huertas F. O método PES: entrevista com Matus/Franco. Huertas; tradução Giselda Barroso Sauveur. São Paulo: FUNDAP; 1996.

Rieg DL, Araújo Filho T de. O uso das metodologias "Planejamento Estratégico Situacional" e "Mapeamento Cognitivo" em uma situação concreta: o caso da pró-reitoria de extensão da UFSCar. Gest. Prod. [periódico na Internet]. 2002. [cited 2011-07-06]; 9(2): 163-179 . Available from: . ISSN 0104-530X. doi: 10.1590/S0104-530X2002000200005.

Dagnino RP. Planejamento Estratégico Governamental. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC; (Brasília) : CAPES : UAB, 2009.

Matus C. Estratégias Políticas: Chimpanzé, Maquiavel e Gandhi. tradução Giselda Barroso Sauveur. São Paulo: FUNDAP; 1996.

Sá M de C. Subjetividade e projetos coletivos: mal-estar e governabilidade nas organizações de saúde. Ciênc. saúde coletiva [periódico na Internet]. 2001 [citado 2011 Jul 06] ; 6(1): 151-164. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232001000100013&lng=pt. doi: 10.1590/S1413-81232001000100013.

Teixeira CF. Formulação e implementação de políticas públicas saudáveis: desafios para o planejamento e gestão das ações de promoção da saúde nas cidades. Saude soc [periódico na Internet]. 2004 Abr . [citado 2011 Jul 06]; 13(1): 37-46. Disponível em

Marin H de F, Massad E, Azevedo Neto RS de; colaboradores Antonio Carlos Onofre Lira. O prontuário eletrônico do paciente na assistência, informação e conhecimento médico. São Paulo: H. de F. Marin, 2003.

Rivera FJU. Planejamento e programação em saúde: um enfoque estratégico. Tradução Elizabeth Artmann. São Paulo:Cortez, 1989.

Merhy EE et al. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. Saúde em Debate. 155. São Paulo: Hucitec, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v1i1.7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.