A Eficiência na Utilização de Recursos no Setor de Saúde: Uma Análise dos Municípios do Oeste Catarinense

Itzhak David Simão Kaveski, Sady Mazzioni, Nelson Hein

Resumo


O objetivo deste estudo consiste em identificar a eficiência no uso dos recursos destinados à saúde pública das cidades pertencentes à mesorregião Oeste de Santa Catarina. Considerando-se os procedimentos metodológicos utilizados, a pesquisa pode ser caracterizada como descritiva, de procedimento documental e com abordagem quantitativa. A amostra do tipo não probabilística é composta por 62 municípios pertencentes à mesorregião do Oeste de Santa Catarina, divididos em 5 microrregiões, que apresentavam dados necessários para a análise pretendida. Os dados utilizados são correspondentes ao ano de 2009, disponíveis no sítio oficial do DATASUS, coletados na segunda semana de maio de 2013. Para a avaliação da eficiência do uso dos recursos utilizou-se a metodologia da análise envoltória de dados (DEA). Os resultados da pesquisa indicam que 77,42% das cidades pertencentes à amostra são eficientes. Em relação às microrregiões, a estimativa da eficiência média quanto ao atendimento do SUS apresentou, em ordem decrescente: Xanxerê (100%), Joaçaba (99,26%), Concórdia (99,01%), Chapecó (94,20%) e São Miguel do Oeste (87,29%).

DOI: 10.5585/rgss.v2i2.72


Palavras-chave


Eficiência pública; Unidades de saúde; Oeste catarinense

Texto completo:

PDF

Referências


Al-Shammari, M. (1999). A multi-criteria data envelopment analysis model for measuring the productive efficiency of hospitals. International Journal of Operations & Production Management, 19(9), 879-891.

Barnum, D. T., Walton, S. M., Shields, K. L., & Schumock, G. T. (2011). Measuring hospital efficiency with data envelopment analysis: Nonsubstitutable vs. Substitutable inputs and outputs. Journal of medical systems, 35(6), 1393-1401.

Berwick, D. (1999) Knowledge always on call. Modern Healthcare, 29(39), 2.

Cesconetto, A., dos Santos Lapa, J., & Calvo, M. C. M. (2008). Avaliação da eficiência produtiva de hospitais do SUS de Santa Catarina, Brasil Evaluation of productive efficiency in the Unified National Health System hospitals in the State of Santa Catarina, Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 24(10), 2407-2417.

Chuang, C. L., Chang, P. C., & Lin, R. H. (2011). An efficiency data envelopment analysis model reinforced by classification and regression tree for hospital performance evaluation. Journal of Medical Systems, 35(5), 1075-1083.

Cunha, J. A. C. (2011). Avaliação de desempenho e eficiência em organizações de saúde: um estudo em hospitais filantrópicos (Tese de Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Deneffe, D., & Masson, R. T. (2002). What do not-for-profit hospitals maximize?. International Journal of Industrial Organization, 20(4), 461-492.

Donabedian, A. (1990). The seven pillars of quality. Archives of Pathology & Laboratory Medicine, 114(11), 1115.

Dwyer, W. (1999). Toward a bionic future. Modern Healthcare, v. 29(39), 14.

Fonseca, P. C., & Ferreira, M. A. M. (2009). Investigação dos níveis de eficiência na utilização de recursos no setor de saúde: uma análise das microrregiões de Minas Gerais. Saúde e Sociedade, 18(2), 199-213.

Gonçalvez, L. (2008). Análise da eficiência dos hospitais SA e SPA segundo uma abordagem de fronteira de eficiência (Tese de Doutorado). Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Guerra, M., de Souza, A. A., & Moreira, D. R. (2012). Performance analysis: a study using data envelopment analysis in 26 Brazilian hospitals. Journal of health care finance, 38(4), 19.

Hallam, K. (1999). Someone´s watching. Modern Healthcare, 29(39), 24.

Mendes, Á. N., & de Souza Santos, S. B. (2000). Financiamento descentralizado da saúde: a contribuição dos municípios paulistas. Saúde e Sociedade, 9(1-2), 111-125.

Morrisey, M. A., Wedig, G. J., & Hassan, M. (1996). Do nonprofit hospitals pay their way?. Health Affairs, 15(4), 132-144.

Morrison, I. (1999). Creating a vision from our values. Modern Healthcare, 29(39), 30.

National Health and Hospitals Reform Commission (Australia). (2009). A healthier future for all Australians: final report June 2009. National Health and Hospitals Reform Commission.

Pallarito, K. (1999). Do-it-yourself health insurance. Modern Healthcare, 29(39), 23.

Peiró, S., Artells, J. J., & Meneu, R. (2011). Identificación y priorización de actuaciones de mejora de la eficiencia en el Sistema Nacional de Salud. Gaceta Sanitaria, 25(2), 95-105.

Politelo, L., Kaveski, I. D. S., Godoy, N. N., & Cunha, P. R. (2012). Níveis de eficiência na utilização de recursos no setor de saúde: uma análise na mesorregião do Vale do Itajaí – Santa Catarina. Anais do Encontro de Administração Pública e Governo, 5. Salvador, BA, Brasil.

PROADESS. (2012) Avaliação de desempenho do Sistema de Saúde Brasileiro: indicadores para monitoramento. Recuperado em 29 mar. 2013, de http://www.proadess.cict.fiocruz.br.

PROADESS. (2013) Matriz dos indicadores do PROADESS. Recuperado em 29 mar. 2013, de http://www.proadess.cict.fiocruz.br.

Saphir, A. (1999). Forever young. Modern Healthcare, 29(39), 28.

Silva, L. M. V. da, & Formigli, V. L. A. (1994). Avaliação em saúde: limites e perspectivas. Cadernos de Saúde Pública, 10(1), 80-91.

Souza, I. V., Nishijima, M., & Rocha, F. (2010). Eficiência do setor hospitalar nos municípios paulistas. Economia Aplicada, 14(1), 51-66.

Spencer, E. M. (2005, March). Values based decision making: a tool for achieving the goals of healthcare. In HEC Forum (Vol. 17, No. 1, pp. 18-32). Kluwer Academic Publishers.

Viacava, F., Almeida, C., Caetano, R., Fausto, M., Macinko, J., Martins, M., Noronha, J. C. de, Novaes, H. M. D., Oliveira, E. dos S., Porto, S. M., Silva, L. M. V. da, & Szwarcwald, C. L. (2004). Uma metodologia de avaliação do desempenho do sistema de saúde brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3), 711-724.

Zuckerman, A. M. (2000). Creating a vision for the twenty-first century healthcare organization. Journal of Healthcare Management, 45(5), 294-305.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v2i2.72

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br