Health Professionals and Organizations Lack of Awareness Regarding the Information Technology Resources Usage in Front of Their Major Beneficiary: Patients

Jayr Figueiredo de Oliveira

Resumo


The entrance of the information technology within health organizations has been causing a true revolution, with new proposals in order to become a new practical facilitator on daily basis of health professionals. This article has the objective to evaluate the Electronic Patient Record (EPR) – ALERT EDIS – at a University Hospital. It has been evaluated a sample of 1,226 medical-cards from patients that have been served by 13 different medical specialties. In 95% of the medical cards there has been an insertion of a responsible and a 100% insertion of a diagnostics, and in only 0.32% there has been no anamnese nor external cause information (when applicable). In 9.54% of the medical cards there has been no evolution and in 31% the requested exams results were not described. Considering an overall, the EPR presents a good completeness from the majority of the evaluated items (-10% of absence). The EPR with compulsory field fulfillment is very valuable for its own quality with benefits to the patient assistance.

Palavras-chave


Information Technology; Human Relationship; Health Services; Electronic Patient Record; Health Information

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa, J. (2012). Acesso à internet no Brasil chega a 83,4 milhões de pessoas. Jornal O Globo, Caderno de Economia: digital e mídia, publicado em 29/08/12. Disponível em: http://oglobo.globo.com/tecnologia/acesso-internet-no-brasil-chega-834-milhoes-de-pessoas-5932072.

Bennett, A. E.; Holland, W. W. (1965). Towards the development of electronic data-processing systems for medical records. Lancet, v.2, n.7423.

Borba, V. R.; Lisboa, T. C. (2006). Teoria geral de administração hospitalar: estrutura e evolução do processo de gestão hospitalar. Rio de Janeiro: Qualitymark.

_____, V. R.; LISBOA, T. C. (2009). Gestão estratégica em organizações de saúde. In: Borba, V. R.; Lisboa, T. C.; Ulhôa, W. M. M. Gestão administrativa e financeira de organizações de saúde. São Paulo: Atlas, p.39–74.

Conselho Federal De Medicina (2002). Resolução nº.1638/2002, de 10 de julho de 2002. Define prontuário médico, responsabilidade médica e criação de Comissão de Revisão de Prontuário Médico. Disponível em: http://www.protalmedico.org.br/resolucoes/dfm/2002/1638_2002.htm.

El-Kareh R.; Gandhi, T. K.; Poon, E. G.; Newmark, L. P.; Ungar, J.; Lipsitz, S.; Sequist, T. D. (2009). Trends in primary care clinician perceptions of a new eletronic health record. Journal of General International Medicine, v.24, n.4, p.464-468.

Falk, J. A. (2008). Tecnologia da informação para a gestão de custos e resultado no hospital: considerações e dicas práticas para implantação de um modelo brasileiro. São Paulo: Atlas.

Galvão, M. C. B.; Ricarte, I. L. M. (2012). Prontuário do paciente. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Greenhalgh, T.; Potts, H. W. W.; Wong, G.; Bark, P.; Swinglehurst, D. (2009). Tensions and paradoxes in electronic patient record research: a systematic literature review using the meta-narrative method. The Milbank Quartely, v.8, n.4, p. 729-788.

Handel, D. A.; Hackman, J. L. (2010). Implementing electronic health records in the emergency department. Journal of Emergency Medicine, v.38, n.2, p.257-263.

Hummel, G. S. (2006). eHealth - o iluminismo digital chega a saúde: as tecnologias de informação e comunicação revolucionando o setor da saúde. São Paulo: STS.

_______, G. S. (2008). ePatient: a odisséia digital do paciente em busca da saúde. São Paulo: STS.

Irani, J. S.; Middleton, J. L.; Marfatia, R.; Omana, E. T.; D’Amico, F. (2009). The use of eletronic health records in the exam room and patient satisfaction: a systematic review. Journal of the American Board of Family Medicine, v.22, n.5, p.553-562.

Kluck, M. M.; Guimarães, J. R.; Caye, L.; Zirbes, S. F. (2011). Registro eletrônico do atendimento ambulatorial: consolidando o prontuário eletrônico do paciente no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Disponível em: http://www.sbis.org.br/cbis/arquivos/713.rtf.

Kweku, E. M. (2003). Software development failures. MIT Press, Cambridge, MA, USA.

Lenard. T. M.; Britton, D. B. (2006). Digital Economy Fact Book. 8th Edition, The Progress & Freedom Foundation.

Lotufo, M.; Duarte, E. C. (1987). Avaliação dos serviços de saúde do Município de Cáceres, MT (Brasil): contribuições à programação local. Revista de Saúde Pública, v.21, n.5. São Paulo Outubro de 1987. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v21n5/08.pdf.

Ludwiick, D. A.; Doucette, J., (2009). Adopting electronic medical record in primary care: lessons learned from health information systems implementation experience in seven countries. International Journal of Medical Informatics, v.78, n.1, p.22-31.

Ministério da Saúde (2010). Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde, Série B. Textos Básicos de Saúde, Brasília – DF, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/construcao_politica_informacao_informatica_saude.pdf.

Mitchell, J. H. (1969). Relevanced of the electronic computer to hospital medica records. British Medical Journal v.4, n.5676, p.157-159.

Oliveira, J. F. (2003). TIC – Tecnologias da Informação e da Comunicação. São Paulo: Érica.

_______, J. F. (2012). Technology and Unemployment for Executives in Hospitals. Journal of Technology Management & Innovation. v.7, Issue 3, p.110–120.

_______, J. F., (2009). Gestão sistêmica hospitalar: uma abordagem contextual. In: Borba, V. R.; Lisboa, T. C.; Ulhôa, W. M. M. Gestão administrativa e financeira de organizações de saúde. São Paulo: Atlas, p.07–38.

Oliveira, M. A. G.; Gonçalves, M. A. (2009). Sincronização de leitos hospitalares de um hospital de médio porte de acordo com os princípios da teoria das restrições. In: Borba, V. R.; Lisboa, T. C.; Ulhôa, W. M. M. Gestão administrativa e financeira de organizações de saúde. São Paulo: Atlas, p.113-131.

OMS. (2004). Mieux communiquer pour mieux soigner. Disponivel em: http://www.sante.gouv.fr/htm/actu/telesante/telesante1.htm.

Paes, L. R. A. (2011). Gestão de operações em saúde para hospitais, clínicas, consultórios e serviços de diagnóstico. São Paulo: Atheneu.

Patrick, J. (2009). A critical essay on the deployment of ED clinical information system: systemic failure or bad Lucky? University of Sydney, Sydney, Australia. Disponível em: http://www.it.usyd.edu.au/cerca de hirtru/essays/.

Poissant, L.; Pereira, J.; Tamblyn, R.; Kawasumi, Y. (2005). The impact of eletronic health records on time efficiency of physicians and nurses: a systematic review. Journal of the American Medical Informatics Association, v.12, n.5, p. 505-516.

Porter, M.; Teisberg, E. O. (2007). Repensando a saúde: estratégias para melhorar a qualidade e reduzir custos. Porto Alegre: Bookman Companhia.

Rego, M. A . S.; França, E. B.; Afonso, D. C. C. (2009). Avaliação da qualidade da informação do Sistema de Informação Perinatal (SIP-CLAP/OPAS) para monitoramento da assistência perinatal, Belo Horizonte, 2004. Revista. Brasileira de Saúde Mater. Infantil, v.9, n.3. Recife. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S1519-38292009000300006.

Romero, D. E.; Cunha. C. B. (2006). Avaliação da qualidade das variáveis sócio-econômicas e demográficas dos óbitos de crianças menores de um ano registrados no sistema de Informação sobre Mortalidade do Brasil (1996/2001). Cadernos de Saúde Pública, v.22, n.3, Rio de Janeiro, março de 2006. Disponível em: http://cielo.br/pdf/csp/v22n3/22.pdf.

Seckin, G. (2010) Patients as Information Managers: The Internet for Successful Self-Health Care & Illness Management. Open Longevity Science, v.4, p.36-42.

Souza, A . P.; Pereira, A . G. L.; Escosteguy, C. C. (2009). Análise da completude, consistência e indicadores epidemiológicos da tuberculose no HSE. Boletim Epidemiológico do HSE/RJ, n.38. Disponível em: http://www.hse.rj.saude.gov.br/profissional/boletim/bol38/analise.asp.

Valle, A. B. et. al. (2010). Sistemas de informações gerenciais em organizações de saúde. Rio de Janeiro: FGV.

Van Der Linden, H.; Kalra, D.; Hasman, A.; Talmon, J. (2009). Interorganizational future proof HER systems. A review of the security and privacy related issues. International Journal of Medical Informatics, n.78, v.03, p.141–160.




DOI: http://dx.doi.org/10.5585/rgss.v3i1.82

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br